Você está aqui: Página Inicial > Acesso à Informação > Dados abertos > Áreas de atuação > Aeródromos > Lista de aeródromos privados > Metadados do conjunto de dados: Lista de aeródromos privados
conteúdo

Metadados do conjunto de dados: Lista de aeródromos privados

publicado 26/08/2021 15h16, última modificação 16/03/2021 21h16

Caracterização do conjunto de dados

Área temática:
Aeródromos
Conjunto de dados:
Lista de aeródromos privados
Nome da área de contato:
Gerência Tecnica do Cadastro Aeroportuário - GTCA;
E-mail de contato da área:
cadastro.aeroportuario@anac.gov.br
Periodicidade de atualização:
Aproximadamente a cada 40 dias (conforme ciclos de atualização de publicações aeronáuticas)
Descrição:

​Dados cadastrais de aeródromos privados, que são aqueles aeródromos abertos ao tráfego aéreo de uso privativo.​

Visão geral:

O Cadastro de Aeródromos é a informação oficial sobre a infraestrutura de aeródromos civis públicos e privados do Brasil.

O cadastro de aeródromos civis é mantido pela ANAC para inscrição dos aeródromos, instalações e equipamentos de auxílio à navegação aérea para atender à aviação civil.

De acordo com o art. 30 do Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei no 7.565, de 19 de dezembro de 1986), nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado sem estar devidamente cadastrado.

Algumas definições importantes:

Aeródromo é toda área destinada a pouso, decolagem e movimentação de aeronaves. Os aeródromos podem sem classificados como públicos e privados.

Helipontos são os aeródromos destinados exclusivamente a helicópteros.

Heliportos são os helipontos públicos dotados de instalações e facilidades para apoio de operações a helicópteros e de embarque e desembarque de pessoas e cargas.

Helideque: é uma estrutura construída para pousos e decolagens de helicópteros, instalada a bordo de plataformas marítimas ou em embarcações.​


Metadados

Aeródromos Privados

CampoDescrição
CÓDIGO OACI
Código de 4 letras utilizado internacionalmente para identificação de um aeródromo, conforme regras da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI). No Brasil, são utilizados os códigos que iniciam com as letras SB, SD, SI, SJ, SN, SS e SW.
CIADO Código de Identificação do Aeródromo se trata de um identificador único de aeródromos civis, e é formado pela junção de dois caracteres e quatro dígitos, sendo que os caracteres são referentes à unidade da federação onde o aeródromo se localiza e os dígitos são atribuídos de forma sequencial (formato UF0000).
NOMEDenominação do aeródromo.
MUNICÍPIOMunicípio onde se localiza o aeródromo, considerando as coordenadas de referência do mesmo.
UFUnidade da federação do município onde se localiza o aeródromo.
LATITUDELatitude do ponto de referência do aeródromo. A coordenada geográfica é fornecida em graus, minutos e segundos, o sistema de referência é WGS-84.
LONGITUDELongitude do ponto de referência do aeródromo. A coordenada geográfica é fornecida em graus, minutos e segundos, o sistema de referência é WGS-84.
ALTITUDEAltitude do ponto de referência mais elevado na área de pouso, em metros.
OPERAÇÃO DIURNATipo de operação do período diurno para o qual o aeródromo está habilitado, considerando as regras de voo (VFR – Visual, IFR – Instrumento).
OPERAÇÃO NOTURNATipo de operação do período noturno para o qual o aeródromo está habilitado, considerando as regras de voo (VFR – Visual, IFR – Instrumento).
DESIGNAÇÃO 1Identificação de cada uma das cabeceiras da primeira pista de pouso e decolagem, que é definida conforme orientação magnética da pista.
COMPRIMENTO 1Comprimento da primeira pista de pouso e decolagem, considerando a porção desta disponível para passagem trânsito das aeronaves em condições normais.
LARGURA 1Largura da primeira pista de pouso e decolagem, considerando a distância lateral na qual uma aeronave pode transitar em condições normais de operação.
RESISTÊNCIA 1Capacidade de suporte da superfície da primeira pista de pouso e decolagem, que é referência para que um piloto ou operador defina se a pista é adequada para a operação de sua aeronave. A resistência de pavimentos destinados a aeronaves com peso de rampa superior a 5.700 kg deve ser divulgada utilizando-se o método ACN-PCN; e a resistência de pavimentos destinados a aeronaves com peso de rampa igual ou inferior a 5.700 kg deve ser divulgada informando-se o peso máximo permitido da aeronave e a pressão máxima permitida dos pneus.
SUPERFÍCIE 1Tipo de material da superfície da primeira pista de pouso e decolagem.
DESIGNAÇÃO 2Identificação de cada uma das cabeceiras da segunda pista de pouso e decolagem, que é definida conforme orientação magnética da pista.
COMPRIMENTO 2Comprimento da segunda pista de pouso e decolagem, considerando a porção desta disponível para passagem trânsito das aeronaves em condições normais.
LARGURA 2Largura da segunda pista de pouso e decolagem, considerando a distância lateral na qual uma aeronave pode transitar em condições normais de operação.
RESISTÊNCIA 2Capacidade de suporte da superfície da segunda pista de pouso e decolagem, que é referência para que um piloto ou operador defina se a pista é adequada para a operação de sua aeronave. A resistência de pavimentos destinados a aeronaves com peso de rampa superior a 5.700 kg deve ser divulgada utilizando-se o método ACN-PCN; e a resistência de pavimentos destinados a aeronaves com peso de rampa igual ou inferior a 5.700 kg deve ser divulgada informando-se o peso máximo permitido da aeronave e a pressão máxima permitida dos pneus.
SUPERFÍCIE 2Tipo de material da superfície da segunda pista de pouso e decolagem.
VALIDADE DO CADASTROData de validade do cadastro do aeródromo, que pode ser renovada mediante requerimento prévio, desde que estejam mantidas as condições técnicas para as quais o aeródromo foi aberto ao tráfego aéreo.
PORTARIA DE CADASTRONúmero e ano da última Portaria de cadastro do aeródromo dentro da validade, ou seja, o ato que dá regularidade cadastral à infraestrutura. A Portaria é indicada no formato PAxxxx-yyyy, onde PA representa Portaria ANAC, xxxx é o ano de publicação e yyyy é o número da Portaria. Assim, por exemplo a indicação PA2020-0001 representa uma Portaria ANAC número 0001 do ano 2020.
LINK PORTARIALink para acesso direto ao arquivo .pdf da portaria de cadastro do aeródromo.


Helidecks
CampoDescrição
CÓDIGO OACICódigo de 4 letras utilizado internacionalmente para identificação de um aeródromo, conforme regras da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI). No Brasil, são utilizados os códigos que iniciam com as letras SB, SD, SI, SJ, SN, SS e SW.
CIADO Código de Identificação do Aeródromo se trata de um identificador único de aeródromos civis, e é formado pela junção de dois caracteres e quatro dígitos, sendo que os caracteres são referentes à unidade da federação onde o aeródromo se localiza e os dígitos são atribuídos de forma sequencial (formato UF0000).
NOMEDenominação da área de pouso e decolagem de helicópteros.
ALTITUDEAltitude do ponto mais elevado da área de pouso e decolagem de helicópteros. Dado apresentado em metros.
RESISTÊNCIACapacidade de suporte da superfície e estrutura do helideck, que é referência para que um piloto ou operador defina se o heliponto é adequado para a operação de seu helicóptero. É notificada pelo peso máximo permitido do helicóptero, em toneladas.
COMPRIMENTO DO MAIOR HELICÓPTERO A OPERARMaior dimensão do maior helicóptero cuja operação é prevista no helideck. Dado apresentado em metros.
VALIDADE DO CADASTROData de validade do cadastro do helideck, que pode ser renovada mediante requerimento prévio, desde que estejam mantidas as condições técnicas para as quais o aeródromo foi aberto ao tráfego aéreo.
PORTARIA DE CADASTRONúmero e ano da última Portaria de cadastro do helideck dentro da validade, ou seja, o ato que dá regularidade cadastral à infraestrutura. A Portaria é indicada no formato PAxxxx-yyyy, onde PA representa Portaria ANAC, xxxx é o ano de publicação e yyyy é o número da Portaria. Assim, por exemplo a indicação PA2020-0001 representa uma Portaria ANAC número 0001 do ano 2020.
LINK PORTARIALink para acesso direto ao arquivo .pdf da portaria de cadastro do helideck.

Helipontos
CampoDescrição
CÓDIGO OACICódigo de 4 letras utilizado internacionalmente para identificação de um aeródromo, conforme regras da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI). No Brasil, são utilizados os códigos que iniciam com as letras SB, SD, SI, SJ, SN, SS e SW.
CIADO Código de Identificação do Aeródromo se trata de um identificador único de aeródromos civis, e é formado pela junção de dois caracteres e quatro dígitos, sendo que os caracteres são referentes à unidade da federação onde o aeródromo se localiza e os dígitos são atribuídos de forma sequencial (formato UF0000).
NOMEDenominação da área de pouso e decolagem de helicópteros.
MUNICÍPIOMunicípio onde se localiza o heliponto, considerando as coordenadas de referência do mesmo.
UFUnidade da federação do município onde se localiza o heliponto.
TIPOO tipo de área de pouso e decolagem de helicópteros indica se está no nível do solo ou elevada. Área elevada significa que permite o trânsito de pessoas abaixo de sua estrutura ou no entorno imediatamente subjacente à projeção de sua estrutura sobre o solo.
LATITUDELatitude de referência da área de pouso e decolagem de helicópteros. A coordenada geográfica é fornecida em graus, minutos e segundos, o sistema de referência é WGS-84.
LONGITUDELongitude de referência da área de pouso e decolagem de helicópteros. A coordenada geográfica é fornecida em graus, minutos e segundos, o sistema de referência é WGS-84.
ALTITUDEAltitude do ponto mais elevado da área de pouso e decolagem de helicópteros. Dado apresentado em metros.
OPERAÇÃO DIURNATipo de operação do período diurno para o qual o aeródromo está habilitado, considerando as regras de voo (VFR – Visual, IFR – Instrumento).
OPERAÇÃO NOTURNATipo de operação do período noturno para o qual o aeródromo está habilitado, considerando as regras de voo (VFR – Visual, IFR – Instrumento).
RAMPA DE APROXIMAÇÃOIdentificação da orientação para pouso e decolagem na área de pouso exclusiva de helicópteros, que é definida conforme orientação magnética da superfície de aproximação, representada por número de dois dígitos, sendo o número inteiro mais próximo de um décimo do azimute magnético.
FORMATO DA ÁREA DE POUSOForma geométrica que representa a área de aproximação final e decolagem de helicópteros (área de pouso).
DIMENSÕESComprimento e largura da área de aproximação final e decolagem de helicópteros. Deve ser o diâmetro inscrito na área, caso o formato do heliponto seja circular, ou um polígono irregular.
RESISTÊNCIACapacidade de suporte da superfície e estrutura do heliponto, que é referência para que um piloto ou operador defina se o heliponto é adequado para a operação de seu helicóptero. É notificada pelo peso máximo permitido do helicóptero, em toneladas.
SUPERFÍCIETipo de material da superfície do pavimento da área de pouso e decolagem de helicópteros.
VALIDADE DO CADASTROData de validade do cadastro do heliponto, que pode ser renovada mediante requerimento prévio, desde que estejam mantidas as condições técnicas para as quais o aeródromo foi aberto ao tráfego aéreo.
PORTARIA DE CADASTRONúmero e ano da última Portaria de cadastro do heliponto dentro da validade, ou seja, o ato que dá regularidade cadastral à infraestrutura. A Portaria é indicada no formato PAxxxx-yyyy, onde PA representa Portaria ANAC, xxxx é o ano de publicação e yyyy é o número da Portaria. Assim, por exemplo a indicação PA2020-0001 representa uma Portaria ANAC número 0001 do ano 2020.
LINK PORTARIALink para acesso direto ao arquivo .pdf da portaria de cadastro do heliponto.​​​