Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2020 > Demanda doméstica por voos cai 32,9% em março, após pandemia do novo coronavírus
conteúdo

Notícias

Demanda doméstica por voos cai 32,9% em março, após pandemia do novo coronavírus

Emergência de saúde pública faz número de passageiros recuar de 7,7 milhões para 4,9 milhões na comparação com março de 2019
publicado: 22/04/2020 15h15, última modificação: 22/04/2020 15h16

A queda da demanda, medida em passageiros quilômetros pagos (RPK), por voos no mercado doméstico foi de -32,9% em março, na comparação com mesmo mês de 2019. Com a retração, decorrente da emergência causada pela pandemia relacionada ao novo coronavírus, foram transportados no mês passado 4,9 milhões de passageiros pagos ante 7,7 milhões de embarques registrados em igual período do ano anterior.

A oferta de voos no mercado doméstico (calculada em assentos quilômetros ofertados - ASK) também caiu no período comparado, com redução de 24,6%. A taxa de ocupação (aproveitamento) dos assentos oferecidos nas aeronaves das principais empresas brasileiras ficou em 72,1% em março deste ano, uma queda de 11% em relação aos 80,9% verificados no mesmo mês de 2019.

Malha aérea essencial

Após o risco de uma paralisação completa do transporte aéreo no Brasil, em decorrência da pandemia por coronavírus, a ANAC acompanhou a construção de uma malha essencial a partir de 28 de março. Com redução de 91,6% em relação a originalmente prevista pelas empresas para o período, o número de voos semanais previstos até o fim de abril passou de 14.781 para 1.241. A distribuição dos voos pelas capitais dos 26 estados atendeu a preocupação do Governo Federal de manter uma malha que continuasse integrando o país, com ajustes para que nenhum estado ficasse sem pelo menos uma ligação aérea.

Mercado internacional

A retração da demanda foi ainda maior em relação aos voos internacionais. Neste mercado, a demanda caiu 42,4% em março, na comparação com mesmo período do ano passado, e a oferta registrou retração de 30,1%, na mesma base de comparação. Foram transportados 44% menos passageiros pagos em março de 2020, com taxa de ocupação das aeronaves de 66,7% (-17,6%), quando comparada ao mesmo mês de 2019.

Os dados fazem parte dos indicadores de Demanda e Oferta do Transporte Aéreo (clique no link para acessar o arquivo), divulgado nesta segunda-feira (20/4) pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

A participação de mercado doméstico de transporte aéreo por empresa ficou assim distribuída entre as principais empresas brasileiras em março de 2020: Latam com 38,2%; Gol com 37,0%; e Azul com 24,8%. Em razão da redução generalizada da procura por voos no período, as três aéreas registraram retração de demanda em marco deste ano na comparação com mesmo mês do ano passado: Latam (-19,5%), Gol (-27,1%) e Azul (-21,3%).

No mercado internacional, as três companhias brasileiras, Latam, Gol e Azul, também viram sua demanda cair em -45,3%, -44,1% e -34,6%, respectivamente, na comparação entre março de 2020 e o mesmo mês do ano passado. Latam e Gol perderam participação no mercado de voos internacionais, ficando com 20,6% (-5,1%) e 3,7% (-2,9%), respectivamente, em relação à fatia que detinham em março de 2019. Já a Azul aumentou sua participação em 13,6%, para 4,7%.

Demanda e oferta do transporte aéreo

Todos os dados sobre a demanda e a oferta do transporte aéreo estão disponíveis na seção “Mercado do Transporte Aéreo” da página Dados e Estatísticas (clique no link para acessar) no portal da ANAC. O relatório Demanda e Oferta do Transporte Aéreo é elaborado com base nas informações fornecidas pelas empresas brasileiras de transporte aéreo público sobre operações regulares e não regulares, em cumprimento à Resolução nº 191/2011 (clique no link para acessar).

Assessoria de Comunicação Social da ANAC
E-mail: jornalismo@anac.gov.br