conteúdo

Glossário

publicado 03/09/2017 00h00, última modificação 05/08/2020 15h07

O glossário apresentado abaixo é uma base de dados composta por informações de dois glossários oficiais:

  • Glossário de Meteorologia do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC)
  • Glossário de Meteorologia do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA)

 

 

* Para encaminhar dúvidas ou sugestões sobre o conteúdo desta seção, inclusive sobre termos não localizados, basta enviar um e-mail para o endereço de correio eletrônico meteorologia@anac.gov.br

** Os Dicionários ANACpédia classificam alguns termos em “Subáreas de Aviação” e contêm termos da subárea Meteorologia Aeronáutica. É possível encontrar relações entre sinônimos, hiperônimos, hipônimos e informações sobre “contextos de ocorrência”. Visite os Dicionários ANACpédia (clique no link para acessar) https://www2.anac.gov.br/anacpedia/

 

A

Aberturas: Furos por onde se observa o céu quando ele está quase todo encoberto por nuvens. 

Abóbada Celeste: O céu considerado sob a forma com que ele aparentemente se arqueia sobre a cabeça do observador.

Abrigo de instrumentos ou meteorológico: estrutura semelhante a uma caixa ventilada, com a função de proteger os instrumentos que medem, por exemplo, a temperatura, a pressão, da exposição direta do sol, das chuvas e condensação. 

Absoluto: Refere-se ao mais alto ou mais baixo valor registrado de um elemento meteorológico. 

Absorção: Processo através do qual a energia radiante incidente sobre um material é retida pelo mesmo. A energia radiante absorvida é então transformada em outra forma de energia, usualmente calor.

Acumulação: Quantidade de neve ou outra forma de água no estado sólido e que é acrescida a um glaciar ou campo de neve por alimentação.

Adiabática: Curva que representa num diagrama aerodinâmico, as variações de temperatura de uma pequena massa de ar submetida a um processo sem troca de energia com o meio.

Advecção: Transferência horizontal de qualquer propriedade da atmosfera, por exemplo temperatura e/ou umidade, através de movimentação de ar (vento).

Advecção fria: Transferência horizontal de propriedade da atmosfera, através do deslocamento de ar com temperatura inferior a temperatura presente na localidade de destino.

Advecção quente: Transferência horizontal de propriedade da atmosfera, através do deslocamento de ar com temperatura superior a temperatura presente na localidade de destino.

Aerossol: Suspensão no ar ou em outro gás, de um conjunto de finíssimas partículas sólidas ou líquidas. Sobre tais partículas os raios solares sofrem reflexão, refração ou difusão.

Aguaceiros: chuva forte originada de nuvens cumulunimbos, de começo e fim inesperado.

Aglomeração: Processo pelo qual as partículas crescem por colisão e por assimilação de partículas de nuvens ou outras de precipitação. 

Airep: dados de altitude coletados por aviões comerciais em rota codificados e disponibilizados pela rede de meteorologia do comando da aeronáutica – REDEMET.

Ajuste de altímetro: Valor de pressão, em um dado momento e para o nível médio do mar, programado no altímetro de uma aeronave. O conhecimento deste valor possibilita a correta determinação da altitude desta aeronave quando de eventuais variações na pressão atmosférica.

Albedo: Relação entre a quantidade de radiação refletida pela superfície de um objeto e o total de radiação incidente sobre o mesmo. O albedo varia de acordo com as propriedades do objeto e é informado em valor de percentagem. Superfícies com albedo elevado incluem areia e neve. Áreas de floresta e aquelas recém desmatadas apresentam reduzido albedo.

Alerta de furacão: Nota formal, divulgada pelo Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (National Hurricane Center-NHC). Esta comunicação, acompanhada por recomendações, é divulgada quando a análise das condições atmosféricas indica que áreas litorâneas e/ou grupo de ilhas estarão potencialmente sob a ameaça de furacão, no período compreendido entre as próximas 24 e 36 horas. O Alerta de Furacão é utilizado para informar a população em geral, bem como interesses específicos, sobre o local, a intensidade e o deslocamento da tempestade.

Alta: é a região da relativa alta pressão em comparação com a vizinhança no mesmo nível horizontal. 

Altas Latitudes: Faixa de latitude localizada, aproximadamente, entre 60 e 90 graus ao Norte e ao Sul. Também chamada de região polar. 

Altímetro: Instrumento utilizado para determinar a altitude de um objeto, com relação a um nível de referência, normalmente definido a partir do valor de pressão ao nível do mar.

Altímetro de pressão: Barômetro aneróide, calibrado para indicar a altitude, em unidades de distância.

Altitude: Em meteorologia, é a distância vertical entre um objeto e uma dada referência, representada por superfície de pressão constante ou nível médio do mar.

Altocumulus: Composta por massas espessas, cinzentas, globulares ou achatadas, esta nuvem, de altura média, é basicamente formada por gotículas d'água. Nas latitudes médias, é geralmente encontrada entre 2.400 e 5.500 metros (8.000 e 18.000 pés) de altura. É caracterizada pela presença frequente de uma camada espessa e ondulada, conhecida como “ovelhas” ou “flocos de lã”. Às vezes confundida com nuvens do tipo cirrocumulus, seus elementos (nuvens individuais) possuem maior massa e projetam sombra em outros elementos. Pode formar vários sub-tipos, como altocumulus castellanus, ou altocumulus lenticularis. Virga também provém destas nuvens.

Altostratus: Esta nuvem, de altura média, é basicamente composta por gotículas d'água e, às vezes, por cristais de gelo. Nas latitudes médias, é encontrada entre 4.600 e 6.100 metros (15.000 e 20.000 pés) de altura. Com tonalidades variando entre o branco e o cinzento, as nuvens do tipo altoestratus podem criar um véu ou lençol fibroso, muitas vezes obscurecendo o Sol ou a Lua. Sua presença é um bom indicador de precipitação e frequentemente precede uma tempestade. Virga frequentemente provém destas nuvens.

Amplitude Térmica: diferença entre a média das temperaturas máximas e a média das temperaturas mais mínimas.

Anemômetro: Instrumento utilizado para medir a velocidade do vento.

Animação das Imagens de Satélite: possibilita visualizar a existência, a densidade e o deslocamento de grandes massas de nuvens na atmosfera. Os satélites internacionais que cobrem a América do Sul são do tipo geoestacionários (americano GOES-8 e europeu METEOSAT-5) ou de órbita polar (americanos série TIROS-N: NOAA-12 e 14).

As imagens são renovadas a cada hora, de forma automática e a descrição sinótica de 2 a 3 vezes ao dia pelo meteorologista de plantão. Estas imagens apoiam o usuário na identificação dos sistemas meteorológicos locais numa primeira avaliação da situação. As imagens de alta resolução são uma ótima ferramenta durante o dia, pois são imagens do canal visível.

Anticiclone: Área com pressão superior àquela apresentada em áreas circunvizinhas, considerando-se um mesmo nível. Resulta em divergência de ventos, os quais se movem no sentido anti-horário no Hemisfério Sul e no sentido horário no Hemisfério Norte. Também conhecida como área de alta pressão; é o oposto de uma área de baixa pressão, ou ciclone.

Ar: Mistura de gases que compõem a atmosfera da Terra. Os principais gases que compõem o ar seco, e respectivos percentuais de contribuição, são nitrogênio (N2) 78,09%, oxigênio (O2) 20,946%, argônio (A) 0,93% e dióxido de carbono (CO2) 0,033%. O vapor d'água (H2O) é um dos componentes mais importantes do ar e um dos mais importantes gases em meteorologia.

Arco-íris: Arco luminoso que exibe todas as cores do espectro visível de luz, do vermelho ao violeta. É criado por refração, pelo reflexo total e pela dispersão da luz. É visível, quando os raios solares atravessam uma camada de ar contendo água vaporizada ou gotas d'água, o que ocorre durante ou imediatamente após uma chuva. O arco-íris sempre é visto no céu do lado oposto em que está o Sol.

Árido: Característica de um clima relacionado com a insuficiência de precipitação para manter a vegetação. 

Atmosfera: porção gasosa do meio físico que envolve um planeta. A atmosfera terrestre está situada mais ou menos próxima à sua superfície em razão da gravidade. A atmosfera divide-se em: troposfera, estratosfera, mesosfera, ionosfera e exosfera. A atmosfera é tridimensional. Os meteorologistas, de forma prática, dividem a atmosfera em níveis: baixos níveis, próximo a superfície até 2 mil metros de altitude, médios níveis de 3 a 6 mil metros e altos níveis acima de 7 mil metros. 

Atmosfera padrão: Termo definido pela Organização Internacional de Aviação Civil (International Civil Aeronautical Organization - ICAO). É definida por temperatura média ao nível do mar equivalente a 15°C, pressão na superfície de 1.013,25 milibares, ou 760 milímetros de mercúrio e redução de temperatura igual a 0,65°C, a cada 100 metros, até 11 quilômetros de altitude.

Atrito: é a força que opõe movimento relativo entre duas lâminas adjacentes do fluido ou entre o fluido e as paredes rígidas que contém o fluido. Quando o movimento relativo é nulo a força do atrito também é nula.

Aviso de furacão: Nota formal, divulgada pelo Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (National Hurricane Center-NHC). Esta comunicação, acompanhada por recomendações, é divulgada quando a análise das condições atmosféricas indica que áreas litorâneas e/ou grupo de ilhas estarão potencialmente sob a ameaça de furacão, nas 24 horas seguintes. O Aviso de Furacão é utilizado para informar a população em geral, bem como interesses específicos, sobre o local, a intensidade e o deslocamento da tempestade.

Avisos Meteorológicos: os avisos meteorológicos, são disponibilizados sempre que há uma condição de tempo significativa. Há dois estágios de condições de avisos: Estado de atenção quando há uma possibilidade de evento meteorológico ocorrer num prazo de previsão superior a 72 horas; e Aviso de tempo severo quando o prazo de previsão do fenômeno é inferior a 48 horas. Os avisos trazem informações em detalhes, sobre, a intensidade do fenômeno meteorológico, a previsibilidade e a confiabilidade da previsão.

 

B

Bacia Hidrográfica: região drenada por uma parte ou pela totalidade de um ou de vários cursos de água determinados.

Baixa: é a região da relativa baixa pressão em comparação com a vizinhança no mesmo nível horizontal. 

Baixas Latitudes: cinturão localizado entre 0 (zero) e 30 graus de latitude, tanto ao norte quanto ao sul do Equador. Também chamado de região tropical ou tórrida. 

Balanço Ciclostrófico: é um balanço entre as forças de gradiente, pressão e centrífuga. Este balanço é viável quando a força de Coriolis e atrito são ausentes ou desprezíveis. Para os movimentos rotacionais de pequena escala como redemoinhos e tornados o balanço ciclostrófico é uma boa aproximação.

Balanço Geostrófico: é um balanço entre as forças de gradiente, pressão e Coriolis. Este balanço é viável somente quando outras forças como centrífuga e atrito são ausentes ou desprezíveis. 

Balanço Hídrico: É um método utilizado para calcular os recursos de água de uma região. Ele contabiliza a precipitação, a evaporação e leva em consideração a capacidade de armazenamento de água no solo e na atmosfera. 

Balanço Térmico: Balanço dos ganhos e das perdas de calor num dado local e por um sistema dado. 

Balão Meteorológico: são balões simples, semelhantes a um balão de brinquedo, mas feito de material resistente. Os balões meteorológicos transportam um pequeno rádio-transmissor automático chamado rádio-sonda. Este está ligado a instrumentos que medem a temperatura, a umidade, a pressão, etc. À medida que o balão sobe, registra e transmite as medidas tomadas a diferentes alturas (ordem dos 20 a 40 mil metros) acima da superfície da Terra. As rádio-sondas podem também ser seguidas pelo radar e, assim, pode se calcular a velocidade e direção do vento a diferentes alturas da atmosfera. Normalmente o balão arrebenta e então a rádio-sonda cai mediante com auxílio de um pequeno pára-quedas. 

Balão de Sondagem: Balão livre, não-tripulado, que transporta um conjunto de instrumentos meteorológicos auto-registradores. 

Banco de Nuvem: sistema contínuo de nuvens do mesmo gênero e sensivelmente do mesmo nível, mas não recobrindo senão uma fração pequena da abóboda celeste. 

Barógrafo: Instrumento utilizado para registrar continuamente valores de pressão atmosférica, observados por um barômetro.

Barômetro: Instrumento utilizado para medir a pressão atmosférica. Dois exemplos são o Barômetro Aneróide e o Barômetro de Mercúrio.

Barômetro aneróide: Instrumento utilizado para medir a pressão atmosférica. Como resultado de variações nesta pressão, ocorrem deformações em um aneróide (cápsula ou célula de metal, com parede fina e fechada, contendo vácuo). Um mostrador graduado apresenta a pressão observada.

Barômetro de mercúrio: Instrumento utilizado para medir a pressão atmosférica. Composto por um tubo de vidro longo, aberto numa extremidade e fechado na outra. Enche-se o tubo com mercúrio e sela-se o tubo temporariamente, depositando-o verticalmente num tanque contendo mercúrio. O movimento descendente do mercúrio no tubo resulta na criação de um vácuo quase perfeito em sua extremidade fechada. À medida em que a pressão atmosférica aumenta, o mercúrio se movimenta do tanque para o tubo; quando a pressão atmosférica diminui, o mercúrio retorna para o tanque. A altura da coluna de mercúrio no tubo é a medida da pressão do ar. O primeiro a usar o Barômetro de Mercúrio foi Evangelista Torricelli (1608-1647), físico e matemático italiano, para explicar os princípios fundamentais da hidromecânica. Embora barômetros de mercúrio sejam muito precisos, o aspecto operacional levou os observadores a usar Barômetros Aneróide.

Barreira de Nuvens: Massa compacta de nuvens que aparece no horizonte com a aproximação de um intenso ciclone tropical, paredão de nuvens, muro de nuvens. 

Biometeorologia: Estudo das influências exercidas sobre os organismos vivos pelos elementos meteorológicos. 

Biosfera: a biosfera é a zona de transição entre a Terra e a atmosfera, dentro da qual é encontrada a maior parte das formas de vida terrestre, incluindo o homem, a flora e a fauna dos oceanos. É considerada a porção exterior da geosfera e a porção interna ou mais baixa da atmosfera. 

Biruta: Indicador da direção do vento, localizado junto ao campo de pouso. Consiste de um cone de tecido com duas aberturas, uma das quais é maior e acoplada a um anel de metal. 

Blizzard: Vento extremamente frio e violento acompanhado de neve. 

Bolsa de Ar: massa de ar na qual uma aeronave perde sustentação por causa das fortes correntes de ar descendentes. 

Bora: ventos frios, de rajadas, que sopra durante o inverno na direção sudoeste no litoral banhado pelo mar Adriático. Sopra através da Grécia proveniente dos Balcãs.

Borrasca: Tempestade súbita de vento, normalmente, acompanhada de chuva forte ou neve. 

Borrifo: conjunto de gotículas de água arrastadas pelo vento à superfície de uma vasta extensão de água, geralmente, das cristas das ondas e transportadas a curtas distâncias na atmosfera.

Brisa: é a circulação gerada por um gradiente horizontal de temperatura, com o intuito de restabelecer o equilíbrio nessa região. 

Brisa Marítima: é a brisa ou o vento próximo a superfície no sentido do mar para o continente que se desenvolve nas regiões litorâneas nos períodos de tarde. A brisa, normalmente, penetra alguns km até 100 km para dentro do continente. A circulação no plano vertical perpendicular à costa é fechada em uma profundidade de 1 a 2 km. 

Brisa Terrestre: é a brisa ou vento próximo a superfície no sentido do continente para o mar que se desenvolve nas regiões litorâneas nos períodos noturnos. A brisa afeta alguns km até 100 km para dentro do mar. A circulação no plano vertical perpendicular à costa é fechada em uma profundidade de 1 a 2 km. 

Bruma: suspensão de gotículas de água na camada atmosférica justaposta à superfície da Terra, reduzindo a visibilidade horizontal a não menos que 1km. É também referida como neblina.

 

C

Calmaria: Condições atmosféricas destituídas de vento ou de qualquer outro movimento do ar. Em oceanografia, é a ausência aparente de movimento da superfície da água, quando não há vento ou ondulação.

Calmas Equatoriais: nome dado a uma região nos trópicos onde, de vez em quando, os ventos são muito leves durante semanas. Nos tempos da navegação à vela, os navios mantinham-se em calmaria ou calmas equatoriais durante longos períodos, porque não havia vento que enchesse as velas. Localizam-se de ambos os lados do Equador, entre as duas cinturas dos ventos alísios. A sua posição exata varia de mês para mês, estando mais para o Norte em junho do que em dezembro. O clima desta região é quente e úmido com céu nevoado, ventos leves muito variáveis, muitas trovoadas, calmarias e tempestades. 

Calor: Forma de energia transferida entre dois sistemas em virtude de uma diferença na temperatura. A primeira lei da termodinâmica demonstra que o calor absorvido por um sistema pode ser utilizado para a realização de trabalho ou para elevar a energia interna deste sistema.

Camada de Inversão: Camada atmosférica na qual a temperatura aumenta com o aumento da altura. 

Camada de ozônio: Camada da atmosfera que contém uma elevada proporção de oxigênio, sob a forma de ozônio. Esta camada age como um filtro, protegendo o planeta da radiação ultravioleta. Situa-se entre a troposfera e a estratosfera, aproximadamente entre 15 a 20 quilômetros (9,5 e 12,5 milhas) acima da superfície da Terra.

Camada de Superfície: é a camada atmosférica rente à superfície, geralmente inferior a 100m em que o transporte turbulento vertical da quantidade de movimento é constante.

Canal de Relâmpago: Trajeto irregular através do ar, ao longo do qual ocorre uma descarga de relâmpagos. 

Capacidade do Vento: Quantidade total de partículas materiais que podem ser levantadas por um vento de uma dada velocidade. 

Carta de Previsão: Previsão representada, graficamente, para uma fração de espaço aéreo. 

Carta sinótica: Qualquer mapa ou gráfico que descreva as condições meteorológicas ou atmosféricas, para uma área extensa, em um dado momento.

Catabático: Vento que sopra de encosta abaixo ou vento de gravidade. 

Cavado: Área alongada de baixa pressão atmosférica que é associada com uma área de circulação ciclônica mínima. Oposto de Crista.

Cavado Equatorial: área alongada de baixa pressão atmosférica que é associada com a uma área de circulação ciclônica mínima. Oposto de crista. 

Ceilômetro: Instrumento utilizado para medir a elevação da base de uma nuvem. Pode basear-se na utilização de laser, através do registro do tempo necessário para que o raio de luz emitido seja refletido pela base da nuvem e retorne para o equipamento. Procedimentos de triangulação são aplicados quando utilizadas outras fontes de luz.

Células de circulação: Grandes áreas de circulação do ar, criadas pela rotação da Terra e pela transferência de calor, proveniente do Equador, em direção aos pólos. A circulação é restrita a uma região específica, como os trópicos, regiões de clima temperado ou polar, o que influencia no tipo de clima de ocorrência nestas regiões.

Central Meteorológica: órgão que coleta, registra e interpreta os dados meteorológicos de uma determinada área. 

Centro Nacional de Furacões: Seção do Centro de Previsões Tropicais (Tropical Prediction Center), é o setor do Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos (National Weather Service) responsável pelo rastreamento e pelas previsões de ciclones tropicais no Atlântico Norte, Caribe, Golfo do México e Pacífico Oriental. Para mais informações, contate o NHC, em Miami, Flórida.

Cerração ou Nevoeiro: massa de minúsculas gotas de água suspensas na atmosfera, próximas ou junto à superfície da Terra, que reduzem a visibilidade horizontal para menos de 1 Km. 

Céu claro: O estado do céu, quando nenhuma nuvem ou obscurecimento são observados ou detectados do ponto de observação.

Céu Limpo: o estado do céu quando nenhuma nuvem ou obscurecimento são vistos ou detectados do ponto de observação. 

Chuva: Precipitação na forma de água líquida, com gotas apresentando dimensão superior a 0,5mm. Se dispersão for elevada, esta dimensão pode se reduzir. É reportada como "RA" em observações meteorológicas e em código METAR. A intensidade de chuva é baseada na taxa de sua queda. "Muito Leve" resulta de gotas dispersas que não chegam a molhar completamente uma superfície. "Leve" apresenta taxa de queda inferior a 2,5mm por hora. "Moderada" apresenta taxa de queda entre 2,5mm e 7,5mm por hora. "Forte" apresenta taxa de queda superior a 7,5mm por hora.

Chuva acumulada: Valor acumulado de precipitação de qualquer tipo, principalmente da água em estado líquido. É usualmente a quantidade medida através de um pluviômetro.

Chuvas esparsas: chuvas intermitentes durante um período em pontos isolados.

Chuva Estimada por satélite: indica as chuvas ocorridas nas últimas 24 horas observadas pelo satélite meteorológico. 

Chuvas isoladas: chuvas distribuídas espacialmente por algumas localidades de uma determinada área.

Chuvisco: Precipitação que cai lentamente em forma de minúsculas gotas d'água, com diâmetros inferiores a 0,5 milímetros. Provém de nuvens do tipo stratus e é frequentemente associada com baixa visibilidade e nevoeiro. É referida como “DZ” em observações meteorológicas e em código METAR.

Chuvoso: céu nublado a encoberto com chuva continua durante todo o período.

Ciclo de água: O transporte vertical e horizontal de água, em todos os seus estados, entre a terra, atmosfera e mares.

Ciclogênese: Processo que cria um novo sistema de baixa pressão, ou ciclone, ou intensifica um sistema pré-existente.

Ciclone: Área com pressão inferior àquela apresentada em áreas circunvizinhas, considerando-se um mesmo nível. Resulta em convergência de ventos, os quais se movem no sentido horário no Hemisfério Sul e no sentido anti-horário no Hemisfério Norte. Também conhecida como área de baixa pressão; é o oposto de uma área de alta pressão, ou anticiclone.

Ciclone extratropical: Qualquer ciclone de origem não tropical. Geralmente considerado como um ciclone frontal migratório, encontrado nas médias e altas latitudes.

Ciclone tropical: Sistema de baixa pressão de núcleo quente, que se desenvolve sobre águas tropicais e, às vezes, subtropicais. Possui circulação organizada ao redor de seu centro. Dependendo da intensidade dos ventos em superfície, o sistema pode ser classificado como distúrbio tropical, depressão tropical, tempestade tropical ou furacão.

Cintilação: consiste em variações rápidas, muitas vezes com pulsações, da luz proveniente de estrelas ou de fontes luminosas terrestres. É semelhante à tremulina. 

Circulação: Fluxo ou movimento de um fluido em ou por uma determinada área ou volume. Em meteorologia, é utilizado para descrever o fluxo de ar quando de seu movimento em um sistema de pressão na atmosfera. Descreve padrões menores em sistemas de pressão semi-permanentes como também as correntes de ar em escala global, de relativa permanência. Em oceanografia, é utilizado para descrever o fluxo da corrente de água dentro de uma grande área, normalmente um padrão circular fechado como no Atlântico Norte.

Circulação Atmosférica: Movimentos atmosféricos que se estendem sobre uma parte ou sobre a totalidade da Terra. Esse movimento de ar e a distribuição dos ventos, considerando-se as condições médias tomadas num longo período de tempo, são provenientes dos diferentes gradientes de pressão (horizontal) e temperatura(vertical) , das forças de atrito(superfície) e Coriolis (rotação da Terra).

Circulação descendentes de vale e montanha: Aquecimento de um fluxo de ar, como resultado de seu deslocamento descendente ao longo da encosta de uma colina ou montanha. Oposto de circulação ascendente.

Cirro: nuvem isolada em forma de filamentos brancos e delicados ou de bancos ou faixas estreitas, brancos ou quase brancos. Esta nuvem tem aspecto fibroso como fios de cabelo ou rabo de galo. O cirro é constituído por cristais de gelo. 
*Condição de tempo associada: Tempo estável com aproximação de áreas de instabilidade. Normalmente na vanguarda da frente fria observam-se muitos cirros, também são observados sobre a bigorna de cumulonimbo. 

Cirrostratus: Nuvem de formato cirrus. Desenvolve-se a partir do espalhamento de nuvens cirrus, resultando em uma camada fina, regular e esbranquiçada. Pode dar ao céu um aspecto leitoso ou como se recoberto por um véu. Quando vista da superfície da Terra, os cristais de gelo presentes nesta nuvem podem criar o efeito de halo ao redor do Sol ou da Lua. Esta nuvem é uma boa precursora de precipitação, indicando sua possível ocorrência entre 12 a 24 horas.

Cirrucumulus: Nuvem de formato cirrus, com desenvolvimento vertical. Possui a aparência de uma fina camada de pequenas bolas brancas, gerando um efeito ondulado. Cria geralmente um “céu escamado”, uma vez que as ondulações podem se assemelhar a escamas de peixe. Às vezes é confundida com altocumulus, porém, apresenta massas individuais menores e não lança sombra em outros elementos. É o tipo de nuvem menos comum e se forma freqüentemente a partir das nuvens cirrus ou cirrostratus, com as quais é associada no céu.

Cirrus: Uma das três formas básicas de nuvem (as outras são cumulus e stratus). Também é um dos três tipos de nuvem alta. Cirrus é uma nuvem fina ou delgada, composta de cristais de gelo, que aparece frequentemente com a forma de véus ou como cordões. Nas latitudes médias, normalmente são encontradas formações dessas nuvens entre 6.000 e 9.000 metros (20.000 e 30.000 pés) de altura. É considerada como a nuvem de formação mais elevada, com exceção do topo das bigornas de nuvens cumulonimbus que, ocasionalmente, atingem maiores alturas.

Cisalhamento direcional: Rajada de vento criada por uma mudança abrupta na direção do vento com altura.

Cisalhamento Vertical: é a diferença vetorial da velocidade do vento em dois pontos do espaço spanidida pela distância vertical entre eles, é também chamado de cortante vertical do vento. 

Clima: O registro histórico e a descrição da média diária e sazonal de eventos associados ao tempo, que ajudam a descrever uma região. As estatísticas são geralmente calculadas a partir de várias décadas de observação. A palavra é derivada do grego, "klima", significando inclinação e refletindo a importância atribuída à influência do Sol, por estudiosos na antiguidade.

Clima Árido: condição climática de uma determinada região caracterizada pelo fato de que as taxas de evaporação e transpiração são maiores do que a precipitação.

Climatologia: O estudo do clima. Envolve a caracterização e análise do clima, a partir de séries temporais de variáveis de tempo.

Clima Seco: clima, excessivamente, seco numa região específica. Deve ser, suficientemente, prolongado para que a falta de água cause sério desequilíbrio hidrológico.

Coalescência: A fusão de duas gotas de água em uma única gota maior.

Código METAR: Indicativo de código para mensagem de boletins meteorológicos. 

Código PILOT: Indicativo do código internacional de ventos em altitude. 

Código SHIP: Indicativo do código sinótico internacional para navios. 

Código Sinótico: Código meteorológico aprovado pela OMM, no qual os elementos meteorológicos observados à superfície da Terra são codificados e grupos de cinco algarismos e transmitidos para fins sinóticos. 

Código SYNOP: Indicativo de código sinótico internacional para estações meteorológicas terrestres. 

Código TEMP: Indicativo do código de sondagens com radiossonda. 

Comprimento de Onda: é a distância entre duas cristas consecutivas ou dois cavados consecutivos de uma função ou campo ondulatório. 

Condensação: Processo através do qual o vapor de água passa do estado gasoso para o estado líquido. É o processo físico oposto à evaporação.

Condução: Transferência de calor através de uma substância, por meio de ação molecular ou transferência de calor resultante do contato entre duas substâncias.

Confluência: é uma característica do escoamento em que as linhas de corrente se unem ou se aproximam. Difluência é a característica oposta.

Coordenadas: usadas na meteorologia são georeferenciadas. Em qualquer ponto da atmosfera ou oceano, o eixo-x, y e z apontam nas direções leste, norte e verticalmente para cima. Isto é, o eixo-z aponta no sentido oposto da gravidade. Os eixos x, y, z medem as distâncias nas suas respectivas direções. 

Congelamento: Um dos processos associados à transformação do estado de uma substância. Neste caso passagem de estado líquido para o estado sólido. É o oposto de fusão.

Convecção: Movimentos em um fluido, responsáveis pelo transporte e mistura de suas propriedades. Estas propriedades podem ser calor e/ou umidade. Quando utilizada para indicar somente movimento vertical ascendente, é o oposto de subsidência.

Convergência: Movimento do vento associado ao fluxo horizontal do ar para dentro de uma região específica. Convergência em níveis mais baixos encontra-se associada ao movimento ascendente do ar. Oposto de divergência.

Coordenada de tempo universal: Convenção utilizada para identificar o tempo de referência no planeta, definido a partir do fuso horário Zero. Este fuso abrange o meridiano de referência, que passa por Greenwich, Inglaterra, onde este método de divisão de tempo mundial foi inicialmente utilizado. Segundo o método, o globo é dividido em 24 fusos horários de 15 graus de arco, ou distantes uma hora entre si. A leste do meridiano de Greenwich, os fusos vão de uma a 12 horas, antecedidos pelo sinal negativo (-), indicando o número de horas a ser subtraído para se obter o Tempo Médio de Greenwich (TMG). A oeste, os fusos horários vão de uma a 12 horas, mas são antecedidos pelo sinal positivo (+), indicando o número de horas a ser somado para se obter o TMG.

Corredor de tornados: Corredor geográfico nos Estados Unidos que se estende no sentido norte, do Texas ao Nebraska e Iowa. Em números absolutos, esta é a região dos Estados Unidos com maior registro de ocorrência de tornados.

Corrente de jato: Área de ventos fortes concentrados em uma faixa relativamente estreita na troposfera superior em latitudes médias e regiões subtropicais dos Hemisférios Sul e Norte. Fluindo em uma faixa semi-contínua ao redor do globo, de oeste para leste, as Correntes de Jato são causadas por variações na temperatura do ar quando o ar polar frio, que se move para o Equador, encontra o ar equatorial quente, que está se movendo para os polos. São marcadas por uma elevada concentração de isotermas e por um intenso cisalhamento vertical.

Cortante do vento: Grau de variação horizontal ou vertical da direção e velocidade do vento com relação à distância. É a diferença vetorial da velocidade do vento em dois pontos do espaço spanidida pela distância entre eles. 

Cortina de areia: Frente de uma tempestade de areia ou de poeira tendo a aparência de uma alta cortina gigantesca que se move mais ou menos rapidamente. 

Crista: Área alongada de alta pressão atmosférica, associada a uma área de máxima circulação anticiclônica. É o oposto de Cavado.

Cumulus: Uma das três formas básicas de nuvem (as outras são cirrus e stratus). Também é um dos dois tipos de nuvem baixa. É uma nuvem com desenvolvimento vertical, com bases planas e superfícies superiores em forma de domo ou couve-flor. A base da nuvem encontra-se frequentemente abaixo de 900 metros (3.000 pés), mas a altura do topo pode variar. Nuvens pequenas e esparsas do tipo cumulus estão associadas com tempo bom (cumulus humilis). Com o aquecimento adicional da superfície da Terra, elas podem se desenvolver verticalmente ao longo do dia, podendo o topo desta nuvem alcançar facilmente 6.000 metros (20.000 pés) de altura, ou mais, na troposfera. Sob condições atmosféricas específicas, estas nuvens podem se transformar em nuvens maiores, conhecidas como cumulus congestus e podem produzir chuva. A continuidade no seu desenvolvimento pode resultar na criação de nuvem do tipo cumulonimbus.

Cumulunimbus: Nuvem resultante do desenvolvimento vertical de nuvem cumulus, frequentemente recoberta por elemento em forma de bigorna. Também chamada de nuvem de temporal, é frequentemente acompanhada por pesadas pancadas de chuva, raios, trovões e, às vezes, granizo, rajadas fortes de vento e tornados.

Clinómetro: instrumento usado para medir a elevação angular de uma luz projetada na base de uma nuvem. Mede o ângulo da base da nuvem incluído pelo observador ou equipamento, a lanterna e a mancha iluminada na nuvem. 

 

D

Dados meteorológicos: informações da atmosfera (temperatura, pressão, vento, umidade, chuva, radiação solar, etc.) provenientes de medidas efetuadas por sensores instalados em satélites, aviões comerciais, navios mercantes, estações meteorológicas de superfície e altitude, e radares meteorológicos.

Degelo: fusão da neve ou do gelo, ou dos dois, à superfície da Terra, em consequência da elevação da temperatura acima de 0ºC. 

Densidade: Razão entre massa de uma substância e o volume que ela ocupa. Em oceanografia, é equivalente à gravidade específica e representa a razão entre o peso de um determinado volume de água do mar com o peso de igual volume de água destilada, a 4,0 graus Celsius ou 39,2 graus Fahrenheit.

Depressão: Utilizada como sinônimo para os termos: sistema de baixa pressão, baixa ou cavado. Também se aplica a uma fase de desenvolvimento de um ciclone tropical, conhecida como depressão tropical, para distinguir este fenômeno de outras características sinóticas.

Depressão tropical: Ciclone tropical, no qual a velocidade dos ventos contínuos em superfície não ultrapassa 60km/h (33 nós). Apresenta uma ou mais isóbaras fechadas. Pode se formar lentamente a partir de um distúrbio tropical, ou de uma onda de leste com desenvolvimento organizado.

Descarga de Retorno: descarga intensa e muito luminosa que se segue, imediatamente, à descarga elétrica inicial no sentido inverso, no mesmo canal de um relâmpago. 

Desenvolvimento Vertical: acontece com as nuvens de tipo cumuliformes, causado pela ação das correntes de ar ascendentes. Podem chegar a mais de 15.000 metros de profundidade, da base ao topo. 

Desigualdade Anual: variações estacionais originadas de causas meteorológicas. 

Desvio do Vento: ângulo entre a direção do vento e a direção do gradiente de pressão. 

Difluência: um característica do escoamento em que as linhas de corrente se afastam ou se bifurcam corrente abaixo. Oposto de Confluência.

Dilúvio: queda de chuvas torrenciais que causam inundação das áreas afetadas. 

Dióxido de carbono (CO2): Um gás pesado e incolor que é o quarto componente mais abundante do ar seco, contribuindo com 0,033% de seu total.

Direção do Vento: indica de onde o vento sopra, sendo normalmente representada pela simbologia S (sul), N (norte), E (leste), W (oeste), e as direções intermediárias, SE (sudeste), NE (nordeste), NW (noroeste), SW (sudoeste).

Dissipação: diminuição ou desaparecimento de uma condição meteorológica, como nevoeiro, nuvens, etc. Difusão pela introdução de condições diferentes. 

Distúrbio: Este termo apresenta várias aplicações. É utilizado para descrever uma área de baixa pressão, ou ciclone, com dimensões reduzidas ou pouco significante. Também pode ser utilizado quando uma área está exibindo sinais de desenvolvimento ciclônico. O termo também é empregado para definir uma fase de desenvolvimento de um ciclone tropical, conhecida como distúrbio tropical, para distinguí-la de outros fenômenos sinóticos.

Distúrbio tropical: Ciclone tropical, no qual a velocidade dos ventos contínuos em superfície não ultrapassa 60km/h (33 nós). Apresenta uma ou mais isóbaras fechadas. Pode se formar lentamente a partir de um distúrbio tropical, ou de uma onda de leste com desenvolvimento organizado.

Divergência: Movimento do vento associado ao fluxo horizontal do ar para fora de uma região específica. Divergência em níveis mais baixos encontra-se associada ao movimento descendente do ar. Oposto de convergência.

Drenagem de Ar: termo genérico usado para indicar o fluxo de ar relativamente frio, encosta abaixo, provocado pela ação da gravidade. 

Duplicatus: bancos, lençóis ou camadas de nuvens superpostas em níveis ligeiramente diferentes, algumas vezes, parcialmente, soldados entre si. Este termo se aplica, principalmente ao cirrus, cirrostratus, altocumulus, altostratus e stratocumulus.

 

E

Efeito Coriólis: Força por unidade de massa que deriva apenas da rotação da Terra e que age como força de deflexão. Depende da latitude e da velocidade do objeto em movimento. No Hemisfério Sul, o ar se desvia para a esquerda de sua trajetória, enquanto que no Hemisfério Norte se desvia para a direita. A força é máxima nos polos e quase nula no Equador.

Efeito estufa: Fenômeno natural associado, principalmente, à presença de dióxido de carbono e vapor d'água na atmosfera. Estes gases permitem que os raios solares atravessem a atmosfera, mas impedem que parte do aquecimento resultante retorne para o espaço. Como resultado, ocorre uma elevação da temperatura observada na parte mais baixa da atmosfera.

Efeito de Lénard: separação de cargas elétricas na precipitação da chuva provocada pelo rompimento das gotículas de água, tornando essas gotículas carregadas positivamente e o ar carregado negativamente. 

Efeito de Umkehr: anomalia provocada pela presença da camada de ozônio em altitude, das intensidades zenitais relativas de certas radiações ultravioletas difusas de origem solar, assim que o sol está próximo ao horizonte. 

Efeito de Venturi: decréscimo local de pressão, aumento local do vento e o aparecimento de rajadas em certas regiões quando o vento sopra através de uma passagem estreita de montanhas ou através de um desfiladeiro. 

Eficiência Térmica: elemento climático na classificação de climas de Thornthwaite corresponde à eficácia da precipitação. 

Eixo de Anticiclone: num anticiclone, a linha que une os lugares de máxima pressão em cada nível. 

Eixo de Cavado: linha imaginária num cavado ao longo da qual a curvatura ciclônica das isóbaras ou contornos é um máximo. 

El Niño: Aquecimento cíclico da temperatura da água do mar no Oceano Pacífico Oriental e na costa ocidental da América do Sul, que pode resultar em variações nos padrões climáticos em diversas regiões do planeta. Este fenômeno ocorre quando águas quentes equatoriais deslocam águas mais frias da Corrente de Humbolt, interrompendo seu processo de ascensão.

Elementos Meteorológicos: podemos considerar como sendo: pressão, temperatura, nebulosidade, umidade, precipitação, direção e velocidade do vento, etc. 

Eletricidade Atmosférica: agregado de vários fenômenos elétricos que ocorrem naturalmente na atmosfera. 

Eletrojato: corrente de eletricidade que se move na atmosfera superior ao redor do Equador e das regiões polares, onde tem lugar o aparecimento das auroras. 

Eletrometeoros: é uma manifestação visível ou audível da eletricidade atmosférica. Podem ocorrer sob a forma de descargas elétricas descontínuas como relâmpago e trovão ou fenômenos mais ou menos contínuos como fogo de São Telmo, aurora polar, etc. 

Elevação da estação: Distância vertical com relação ao nível médio do mar, que é o nível de referência para todas as medidas de pressão atmosférica naquela estação.

Encoberto: céu encoberto por oito oitavos de camada de nuvem.

Encosta de Barlavento: parte da encosta de uma colina ou montanha, ou mesmo uma região situada de frente para o vento em consequência de um acidente de relevo. 

Encosta de Sotavento: parte da encosta de uma colina ou montanha ou região, abrigada do vento em consequência de um acidente de terreno. 

Ensolarado: predomínio de sol.

Eólico: ação e efeito dos ventos. 

Eolípila: bola de metal para demonstrar a geração dos ventos.

Equador: Círculo geográfico a zero graus de latitude na superfície da Terra. É a linha imaginária que divide o planeta em Hemisfério Sul e Hemisfério Norte, sendo equidistante dos polos Sul e Norte.

Equinócio: Ponto no qual a eclíptica intercepta o Equador celeste. Dias e noites são quase iguais em duração. No Hemisfério Sul, o equinócio da primavera ocorre em torno de 22 de setembro e o equinócio de outono em torno de 20 de março.

Erro de Paralaxe: um dos erros de leitura dos instrumentos meteorológicos, principalmente do barômetro. Deve-se às propriedades de refração da luz e da ótica. 

Escala Celsius de temperatura: Escala de temperatura na qual a água, ao nível do mar, apresenta ponto de congelamento em 0°C e ponto de ebulição em 100°C. Mais comumente utilizada em áreas que adotam o sistema métrico de medida. Foi criada por Anders Celsius, em 1742. Em 1948, a 9ª Conferência Geral de Pesos e Medidas substituiu a expressão “grau centígrado” por “grau Celsius”.

Escala Beaufort: Um sistema para estimar e informar a velocidade do vento. É baseado na Força ou Número de Beaufort, composto por velocidade de vento, um termo descritivo e efeitos visíveis do vento sobre as superfícies da terra ou do mar. A escala foi proposta por Sir Francis Beaufort (1777-1857), hidrógrafo da Marinha Real Britânica.

Escala Fahrenheit de temperatura: Escala de temperatura em que a água, ao nível do mar, apresenta ponto de congelamento em 32°F e ponto de ebulição em 212°F. Mais comumente utilizada em áreas que adotam o sistema inglês de unidades. Criada em 1714 por Gabriel Daniel Fahrenheit (1696-1736), um físico alemão que também inventou os termômetros de álcool e mercúrio.

Escala Kelvin de temperatura: Escala de temperatura na qual a água, ao nível do mar, apresenta ponto de congelamento em 273 K e o ponto de ebulição em 373 K. É utilizada principalmente para propósitos científicos. Também conhecida como Escala de Temperatura Absoluta. Apresentada em 1848 por William T. Kelvin (1824-1907), físico e matemático escocês.

Escala de Temperatura: meio usado para medir a temperatura. Existem várias escalas de temperatura: Celsius, Fahrenheit, Kelvin, etc. A escala Celsius é baseada no ponto de congelamento e ebulição da água, enquanto a escala Kelvin é fundamentada na teoria cinética molecular e é a escala usada para os cálculos científicos. 

Escala de Intensidade Fujita: escala para classificar os tornados de acordo com a velocidade de ventos de rotação e os danos causados pelos tornados. 

Escala sinótica: Associada à extensão dos sistemas migratórios de alta ou baixa pressão em baixos níveis na troposfera. Envolve o recobrimento horizontal de uma área equivalente ou superior a várias centenas de quilômetros.

Estabilidade: característica do escoamento de um fluido que diz respeito a tendência de diminuição ou aumento de uma perturbação pequena superposta nele. Quando a perturbação tende a crescer o escoamento ou o estado do fluido é dito instável. Quando a perturbação tende a diminuir o escoamento ou o estado do fluido é dito estável. Na ciência atmosférica encontramos vários tipos de estabilidade ou instabilidade dependendo do tipo e a escala de perturbação. 

Estabilidade Estática: medida da estratificação de um fluido planetário. Para atmosfera terrestre a expressão em coordenadas isobáricas representa adequadamente as condições de estabilidade para perturbações de parcelas do ar na vertical. Quando é positiva a atmosfera é estável. 

Estação meteorológica: local onde são usados diferentes tipos de instrumentos desenvolvidos para a realização de observações e relatórios sobre o estado de tempo em várias partes do mundo. As estações podem ser classificadas do seguinte modo: estações Sinópticas, Climatológicas, de Meteorologia Aeronáutica, de Meteorologia Agrícola e Espaciais. 

Estações de Radiossondagem: são estações meteorológicas que medem as propriedades físicas da atmosfera em altitude, em geral, é utilizado um balão que transporta uma radiossonda a qual, através de sinais de radio, transmite os valores da pressão, temperatura e umidade da atmosfera em vários níveis. 

Estações do Ano: cada um dos 4 períodos de tempo separados pelos extremos da rota de translação da Terra em relação ao Sol, representados por condições climáticas diferentes causadas pela inclinação do eixo da Terra em relação ao plano da eclítica. Os períodos são: primavera, verão, outono e inverno. 

Evaporação: Processo físico através do qual um líquido passa para o estado gasoso. É o processo físico oposto à condensação.

Evapotranspiração: O total de água transferida da superfície da Terra para a atmosfera. É composta por evaporação de água, originalmente em estado líquido ou sólido, acrescida da transpiração das plantas.

 

F

Faixa de Vapor D'água: faixas escuras no espectro solar provocadas pela absorção da radiação solar pelo vapor d'água existente na atmosfera terrestre. 

Farol de Teto: instrumento usado à noite para projetar um feixe de luz vertical concentrado à base das nuvens, a fim de medir a altura das mesmas com o uso do clinômetro. 

Fator Pluviométrico: obtém-se spanidindo a quantidade total de precipitação pela temperatura média. 

Fenômeno de Difração: imagem de interferência produzida no interior da sombra geométrica projetada por um objeto devido ao curvamento, por uma quantidade que varia com o comprimento das ondas luminosas que encontram obstáculo. 

Flecha de Vento: numa carta sinótica, um curto segmento de reta que termina no círculo da estação e representa a direção de onde sopra o vento. 

Fluxo de Gradiente: fluxo sem fricção horizontal no qual as isóbaras e as linhas de fluxo coincidem. 

Fluxo Luminoso: quantidade característica do fluxo radiante e que expressa sua capacidade em produzir sensação luminosa. 

Foehn: vento seco com forte componente descendente, quente para a estação e característico de muitas regiões montanhosas. O ar é resfriado dinamicamente ao subir as montanhas, porém, isto conduz à condensação que detém a queda da temperatura através da liberação do calor latente. 

Fogo de S. Telmo: descarga elétrica luminosa na atmosfera, mais ou menos contínua, de intensidade fraca ou moderada, que parte de objetos altos na superfície do globo como pára-raios, cata-ventos, mastros de navios. Surge muitas vezes em forma de penachos esverdeados, claramente visíveis à noite. 

Força de Coriolis: força aparente que atua sobre um elemento do fluido em deslocamento sobre um planeta em rotação. A força de Coriolis atua na direção perpendicular ao movimento para a esquerda do movimento horizontal no hemisfério Sul. Ela é nula sobre o Equador, negativa no hemisfério Sul e positiva no hemisfério Norte, atingindo valores extremos nos polos.

Força de Gradiente de Pressão: força que atua num elemento de fluido devido a variação espacial de pressão. Atua no sentido oposto do gradiente de pressão e a sua intensidade é proporcional ao módulo do gradiente. 

Fotometeoros: fenômeno luminoso produzido pela reflexão, refração, difração ou interferência da luz proveniente do Sol ou da Lua. Podem observar-se nas seguintes condições: em ar limpo como miragem, cintilação, raio verde; à superfície das nuvens ou no seu interior como fenômenos de halo, coroa, biação, glória; e dos hidrometeoros ou dos litometeoros como arco-íris, arco-íris branco, anel de bispo, raios crepusculares. 

Fotos de Satélite: fotos tiradas por satélite meteorológico que revelam informações importantes, como o fluxo do vapor de água, o movimento das frentes climáticas e o desenvolvimento de um sistema tropical. Sequências de imagens registradas por satélites ajudam os meteorologistas a elaborar as previsões do tempo. Algumas fotos são tiradas durante um período de luz visível, luz do dia. Outras são tiradas com lentes infravermelhas, que revelam a temperatura das nuvens e podem ser usadas de dia ou de noite. 

Fracto: prefixo aplicado à formação de nuvens e significa "rasgada pelo vento". 

Frente: Zona de transição ou superfície de contato entre duas massas de ar de densidades diferentes, o que normalmente implica em temperaturas diferentes. Por exemplo, a área de convergência entre ar quente e úmido e ar frio e seco.

Frente Anabática: frente na qual o ar quente se eleva ao longo da superfície de descontinuidade, acima da qual ele se encontra. 

Frente Ativa: plano limítrofe entre duas massas de ar no qual o ar é forçado a subir.

Frente Catabática: frente na qual o ar quente desce ao longo da superfície de descontinuidade, acima da qual ele se encontra. 

Frente Climatológica: posição geográfica média ou característica de frente numa certa região da Terra. 

Frente de Altitude: frente que existe em níveis mais altos, porém não alcança a superfície da Terra. 

Frente de Tempo: lugar de todas as posições possíveis de uma aeronave após uma hora de voo, a partir do tempo de partida ou de uma frente de tempo anterior. 

Frente de Tormenta: acumulação vertical de ar frio numa frente fria muitas vezes tomando a forma de uma língua suspensa. 

Frente Difusa: frente cuja presença na carta sinótica de superfície é difícil de ser determinada após os estudos dos elementos meteorológicos. O contraste entre os elementos próximos à frente é fraco e a largura da zona frontal é grande. 

Frente Dissimulada : frente real cuja presença, não é prontamente evidente na carta sinótica de superfície dadas às influências locais de radiação. 

Frente estacionária: Frente que é quase estacionária, com nenhum ou reduzido deslocamento observado desde o seu último registro de posição. Também conhecida como frente semi-estacionária.

Frente fria: Extremidade dianteira de uma massa de ar frio que avança sob uma massa de ar quente, deslocando-a de seu caminho. Geralmente, com a passagem de uma frente fria, a temperatura e a umidade se reduzem, a pressão se eleva e o vento muda de direção (normalmente do sudoeste para o nordeste no Hemisfério Sul). Precipitação geralmente antecede ou sucede a frente fria e, de forma muito rápida, uma linha de tormenta pode antecipar a frente.

Frente Meteorológica: região que delimita duas massas de ar com características distintas, ocasionando certos fenômenos meteorológicos como nuvens, precipitação, turbulência, etc. 

Frente oclusa: Também conhecida como "oclusão", é um sistema complexo que se forma quando uma frente fria alcança uma frente quente. Desenvolve-se quando três massas de ar com temperaturas diferentes colidem. A oclusão pode ser quente ou fria, dependendo da interação entre estas massas de ar.

Frente polar: Fronteira semi-contínua e semi-permanente entre massas de ar polar e massas de ar tropical. Parte integrante de uma teoria meteorológica conhecida como "Teoria da Frente Polar".

Frente quente: Extremidade dianteira de uma massa de ar quente que, ao avançar, substitui uma massa de ar mais frio. Geralmente, com a passagem de uma frente quente, a temperatura, a umidade e a pressão atmosférica se elevam e, embora os ventos mudem de direção (em geral, do sudoeste para o noroeste no Hemisfério Norte), a passagem de uma frente quente não é tão pronunciada quanto a passagem de uma frente fria. Precipitação, em forma de chuva, neve, ou chuvisco, geralmente antecede a frente, assim como chuvas convectivas e temporais. A ocorrência de nevoeiro é comum em áreas de ar frio antecedendo a frente quente. Embora a atmosfera fique geralmente clara depois da passagem desta frente, algumas condições associadas à presença de ar quente podem resultar em nevoeiro.

Frente semi-estacionária: Frente que é quase estacionária, com nenhum ou reduzido deslocamento observado desde o seu último registro de posição. Também conhecida como frente estacionária.

Frequência: expressa o número de ciclos por tempo unitário. 

Frio: Condição marcada por temperatura reduzida ou abaixo de seu normal. Ausência de calor.

Frontogênese: Nascimento ou criação de uma frente. Acontece quando duas massas de ar adjacentes, possuindo densidades e temperaturas diferentes, se encontram pela ação dos ventos, criando uma frente. Pode acontecer quando uma das massas de ar, ou ambas, apresenta(m) suas propriedades originais intensificadas, ao mover(em)-se sobre uma superfície. É comum no sul do Brasil e norte da Argentina. Oposto de Frontólise.

Frontólise: O término ou "morte" de uma frente, quando a zona de transição já não apresenta o mesmo contraste de propriedades observado anteriormente. Oposto de Frontogênese.

Fumaça: Pequenas partículas, resultantes de combustão e suspensas no ar. Pode se transformar em névoa-seca, quando transportada por longas distâncias (40 a 160 quilômetros, ou mais), e/ou quando as partículas maiores se depositam. As partículas restantes se espalham amplamente pela atmosfera. É informada como "FU" em observações meteorológicas e em código METAR.

Furacão: Nome dado aos ciclones tropicais com velocidade de ventos contínuos igual ou superior a 120km/h (65 nós), de ocorrência no Oceano Atlântico Norte, mar do Caribe, Golfo do México e no norte oriental do Oceano Pacífico. Este mesmo ciclone tropical é conhecido como tufão no Pacífico ocidental e como ciclone no Oceano Índico.

 

G

Galope: vibrações causadas pelo vento e formação de gelo nas linhas de transmissão. 

Garganta: área de pressão relativamente baixa em forma de garganta entre dois anticiclones. 

Garoa: expressão regional do Brasil, principalmente de São Paulo, para expressar chuvisco. 

Geada: depósito de gelo cristalino sobre superfície exposta ao ar livre, resultante do congelamento do vapor d’água existente no ar próximo a superfície.

Gelo: Forma sólida de água. Pode ser encontrado na atmosfera sob várias formas: cristais de gelo, neve, pequenas bolas de gelo, granizo, entre outras.

Geopotencial: energia potencial de uma parcela do ar de massa unitária, sendo que o seu valor referencial de zero encontra-se, em geral, no nível médio do mar. 

Geostrófico: vento que sopra paralelo às isóbaras. 

Globo Terrestre: apresenta forma geóide, com um raio médio de 6.371 km, sendo o raio equatorial cerca de 21,5 km maior que o raio polar. Possui uma camada superficial rochosa, denominada litosfera, formando a crosta terrestre. Sobre esta camada deposita-se a hidrosfera, constituída das águas oceânicas e continentais, e a atmosfera com suas diferentes camadas. 

Glória: constituída por uma ou mais séries de anéis coloridos, que o observador vê em volta da sua própria sombra projetada sobre o nevoeiro, orvalho ou sobre uma nuvem composta por numerosas partículas de pequenas dimensões. Os anéis coloridos devem-se à difração da luz e têm disposição igual à da coroa. 

Gradiente: operador vetorial. A orientação do gradiente é a direção em que a variável está oscilando com a maior taxa e o seu modulo é justamente esta taxa. 

Granizo: Precipitação que se origina de nuvens convectivas, como cumulonimbus, e que cai em forma de esferas ou pedaços irregulares de gelo, podendo ocorrer em diferentes tamanhos e formas. Granizo apresenta diâmetro igual ou superior a cinco milímetros. Pedaços menores de gelo são classificados como pequenas bolas de gelo, pequenas bolas de neve, ou "graupel". Elementos individuais são chamados de pedras. É referido como "GR" em observações meteorológicas e em código METAR. Granizo pequeno ou pequenas bolas de neve são referidos como “GS”.

Grau: Medida que representa uma única divisão, ou unidade, numa escala de temperatura.

Grosswetterlage: distribuição média da pressão para um intervalo de tempo, durante o qual as características essenciais da circulação atmosférica permanecem, aproximadamente, invariáveis sobre uma vasta região. 

Grumo: acumulações de cristais de gelo que permanecem separados ou apenas congelados entre si. Formam uma camada delgada dando à superfície do mar um tom cinza ou cor de chumbo. 

Guiagem: influência exercida na direção do movimento de perturbações de níveis baixos pelas correntes de ar dos níveis mais altos.

 

H

Halo: Designação comum a meteoros luminosos constituídos de círculos ou arcos brilhantes, tendo por centro o Sol ou a Lua.

Hidroestimador: método que utiliza uma relação empírica exponencial entre a precipitação estimada por radar e a temperatura de brilho do topo das nuvens, extraídas do canal infravermelho do satélite GOES-12, gerando taxas de precipitação em tempo real, isto é, feito de forma automática. 

Hidrometeoro: fenômenos meteorológicos resultantes de modificações no estado de vapor de água na atmosfera. Podem ocorrer sob as formas seguintes: precipitação como chuva, chuvisco, neve, saraiva; virga; partículas mais ou menos em suspensão na atmosfera como nevoeiro, neblina; depósitos como orvalho, geada, gelo poroso, gelo vítreo. 

Hidrometeorologia: ramo da meteorologia que está relacionado à hidrologia. 

Hidrosfera: partes da superfície da Terra constituídas de água e de gelo. 

Higrógrafo de Cabelo: instrumento que fornece um registo contínuo da umidade relativa. O cabelo humano isento de óleo ou gordura, altera o seu comprimento em função da umidade relativa. Por meio de um sistema de alavancas, a alteração do comprimento do cabelo é amplificada e registrada por uma pena sobre um gráfico aposto a um cilindro que roda em movimento uniforme. 

Higrometria: parte da física que determina a quantidade de água em vapor contida na atmosfera. 

Higrômetro: instrumento utilizado na medição da umidade ou conteúdo de vapor de água na atmosfera. 

Hodógrafa: linhas que unem as extremidades dos vetores que representam em coordenadas polares, as velocidades dos ventos em altitudes e em níveis sucessivos.

 

I

Iluminação Difusa: iluminação sem qualquer contribuição direta da radiação solar. 

Imagens de satélites: Imagens adquiridas por satélites que revelam, entre outras, informações associadas ao fluxo do vapor d'água, movimento de sistemas frontais e o desenvolvimento de um sistema tropical. A animação destas imagens auxilia os meteorologistas na elaboração de previsões do tempo. Algumas imagens são adquiridas utilizando-se da porção visível da luz, com aquisição restrita ao período diurno. Outras, resultam de sensibilidade à radiação infra-vermelha termal, indicando a temperatura das nuvens, podendo ser adquiridas de dia ou à noite.

Incus: porção superior do cumulonimbus que se expande em forma de bigorna, tendo aspecto fibroso, liso ou estriado. 

Índice de Calor: combinação da temperatura do ar e umidade que descrevem como a temperatura é sentida. Não se trata da temperatura atual do ar. 

Índices de Frio do Vento: cálculo de temperatura que considera os efeitos do vento e da temperatura do ar no corpo humano. Descreve a média da perda de calor num corpo humano e a maneira como a temperatura é sentida. Não é a temperatura atual do ar
Índice de Temperatura e umidade: mostra como o calor e a umidade nos fazem sentir. Se soubermos a temperatura e a umidade relativa, podemos saber quão desconfortável estamos. 

Índice Ultravioleta: a radiação ultravioleta (R-UV) é a parte do espectro eletromagnético referente aos comprimentos de onda entre 100 e 400nm. De acordo com a intensidade que a R-UV é absorvida pelo oxigênio e ozônio e, também pelos efeitos fotobiológicos costuma-se spanidir a região UV em três intervalos:

Pode-se dizer que o Sol emite energia em, praticamente, todos os comprimentos de onda do espectro eletromagnético permeados pelas spanersas linhas de absorção. 44% de toda essa energia emitida se concentra entre 400 e 700 nm, denominado espectro visível de energia. O restante é spanidido entre radiação ultravioleta (menor que 400nm) com 7%, infravermelho (entre 700 e 1500nm) com 37% e infravermelho (maior que 1500nm) com 11%. Menos de 1% da radiação emitida concentra-se acima da região do infravermelho, como seja, microondas e ondas de rádio, e abaixo da região ultravioleta, como raios X e raios gama. 

Infiltração: movimento da água de superfície que penetra no solo. A infiltração é igual ao total de precipitação menos as perdas causadas pela captação das plantas, à retenção nas depressões na superfície do solo, à evaporação e ao escorrimento de superfície. 

Informação Meteorológica: boletins meteorológicos, análises, previsões e quaisquer outros elementos de informações relativos às condições meteorológicas. 

Insolação: radiação solar recebida pela Terra. 

Instabilidade Baroclínica: vulnerabilidade de um escoamento planetário representado pela corrente de jato a uma perturbação de escala sinótica e/ou subsinótica. A instabilidade se deve ao gradiente horizontal de temperatura ou cisalhamento vertical do escoamento. O desenvolvimento de sistemas sinóticos de médias latitudes como ciclones extratropicais se deve a este mecanismo.

Instabilidade Barotrópica: vulnerabilidade da corrente de jato para perturbação de escala sinótica devido à variação da vorticidade na zona do jato. A energia cinética da perturbação aumenta recebendo a energia cinética do escoamento básico.

Isoterma: é a superfície na qual a temperatura é constante. Em um plano horizontal as isotermas são linhas que passam pelos pontos de igual temperatura. Isto é, um lado da isoterma a temperatura é maior do que no outro lado.

Intercâmbio: mistura das características entre duas ou mais massas de ar. Termos, geralmente, aplicados à mistura das massas de ar polares e tropicais. 

Inverno: Estação do ano entre o solstício de inverno e o equinócio de primavera. É caracterizado pelas temperaturas mais frias do ano, quando os raios solares incidem mais diretamente sobre o hemisfério oposto. Ocorre nos meses de Junho, Julho e Agosto no Hemisfério Sul e nos meses de Dezembro, Janeiro e Fevereiro no Hemisfério Norte.

Inversão: Conceito associado à não ocorrência do padrão habitual de variação de uma propriedade atmosférica em função da altitude. Normalmente, refere-se à elevação de temperatura em função de um incremento na altitude. Neste caso, este comportamento é o inverso do declínio habitual da temperatura, observado em cotas mais elevadas.

Inversão de Temperatura: condição pela qual o ar próximo da superfície da Terra torna-se mais frio que acima, isto é, o inverso do normal; a temperatura aumenta com altitude por uma curta distância. 

Irisações: são cores que aparecem nas nuvens, umas vezes misturadas outras vezes em forma de faixas, sensivelmente paralelas aos bordos das nuvens. Predominam o verde e a cor de rosa, muitas vezes, com tonalidade pastel. As linhas de separação entre as cores não formam círculos com o Sol no centro, mas sim faixas que acompanham os contornos da nuvem. 

Isóbara: superfície na qual a pressão atmosférica é constante. Em um plano horizontal as isóbaras são linhas que passam pelos pontos de igual pressão. Isto é, um lado da isóbara a pressão é maior do que do outro lado. 

Isoterma: superfície na qual a temperatura é constante. Em um plano horizontal as isotermas são linhas que passam pelos pontos de igual temperatura. Isto é, um lado da isoterma a temperatura é maior do que do outro lado. 

 

J

Jato subtropical: Marcado por uma concentração de isotermas e cisalhamento vertical. Este jato de vento é a fronteira entre o ar subtropical e o ar tropical. Ocorre nos Hemisférios Norte e Sul, entre aproximadamente 25 e 35 graus de latitude e, em geral, a mais de 12.000 metros de altura. Tende a migrar para sul no verão do Hemisfério Sul e para norte no inverno.

Jet Streams: correntes de jato são ventos que se iniciam na atmosfera a cerca de 6 km de altitude, provocados por abruptas diferenças de temperatura entre o ar da troposfera e da estratosfera e podem estender-se ao longo de milhares de quilômetros de comprimento e alguns quilômetros de largura. Umas vezes, estes ventos sobem em direção à atmosfera, outras descem em direção à superfície da Terra formando tempestades.

 

K

Khamsin: vento quente e seco que sopra do sul no Egito, ao longo do Mediterrâneo, semelhante ao siroco e geralmente em março, abril e maio. 

 

L

La Niña: período de intensificação dos ventos e resfriamento anormal da superfície no centro e leste do Pacifico Tropical. O oposto de El Niño.

Lanterna: instrumento que consiste em um tambor e um sistema óptico que projetam uma faixa estreita e vertical de luz sobre uma base de nuvem. 

Latitude: Medida angular, em graus, entre o plano do Equador e a normal a um ponto qualquer sobre a superfície elipsoidal de referência. É com frequência representada graficamente por linhas que se distribuem paralelamente ao Equador, em direção aos polos norte e sul, localizados a 90 graus, em relação ao Equador.

Latitudes altas: Faixa de latitudes, localizada aproximadamente entre os paralelos de 60 e 90 graus, em ambos os hemisférios. Esta região é também denominada de Região Polar.

Latitudes baixas: Faixa de latitudes, localizada aproximadamente entre os paralelos de 0 e 30 graus, em ambos os hemisférios. Esta região é também denominada de Região Tropical ou Tórrida.

Latitudes médias: Faixa de latitudes, localizada aproximadamente entre os paralelos de 35 e 65 graus, em ambos os hemisférios. Esta região é também denominada de Zona Temperada.

Lei De Ballot: a relação entre a direção do vento e a localização das altas e baixas pressões que o geram. 

Lençol de Nuvens: disposição particular das nuvens que formam uma camada contínua e relativamente fina de grande extensão horizontal. 

Levantamento Orográfico: quando o ar úmido é forçado a se elevar devido a um obstáculo de grandes proporções. O resfriamento pode resultar na formação de nuvens. 

Linha de Borrasca: rajadas de vento que têm lugar ao longo de uma linha separando áreas que apresentam grande diferença de pressão atmosférica. 

Linha de Cavado: linha que atravessa uma área ciclônica e que é perpendicular ao curso do ciclone. 

Linha de Corrente de Ar: linhas que são traçadas paralelamente à direção do vento para indicar a disposição do fluxo das massas de ar. 

Linha de Descontinuidade: linha de trovoadas que marcam a posição de uma frente em movimento. 

Linha de Instabilidade: região de formação de nuvens do tipo cumulus e cumulonimbus em formato de uma linha contínua. O vento pode aumentar abruptamente, a temperatura cai de modo súbito acompanhadas por pancadas de chuva e granizo, e muitas vezes por relâmpagos e trovões. Geralmente, antecede ou sucede as frentes. 

Litometeoros: meteoro constituído por um conjunto de partículas cuja maior parte é sólida e não aquosa. As partículas estão mais ou menos em suspensão no ar ou são levantadas do solo pelo vento como bruma seca, bruma de poeira, fumo, nuvem de poeira ou de areia, tempestade de poeira ou areia, turbilhão de poeira ou areia. 

Longitude: Medida angular, em graus, entre o plano de um meridiano de referência e o plano meridiano que passa por um ponto qualquer sobre uma superfície elipsoidal de referência. É com frequência representada graficamente por linhas que circundam o planeta, passando pelos polos norte e sul. A distância entre estas linhas é maior no Equador e menor em latitudes mais elevadas. As Zonas de Tempo encontram-se relacionadas à longitude.

Luminância: quociente da intensidade da luz emitida numa direção dada, pela projeção da área de uma superfície luminosa emissora sobre um plano perpendicular àquela direção. 

Luminância de Nuvem: Luminância determinada pela quantidade de luz difundida e refletida pelas partículas que constituem uma nuvem. 

Luz Celeste: emissão de radiação quase permanente pelos gases da alta atmosfera que pode ser distinguida à noite e que se presume existir durante o dia.

 

M

Maestro: vento que sopra na direção SE no mar Adriático, em geral, no inverno e na primavera. 

Mapa Sinóptico: qualquer mapa ou quadro que descreva as condições meteorológicas ou atmosféricas de uma grande área em qualquer momento determinado. 

Mapas de Tempo: mapas de grandes regiões onde o meteorologista anota para cada estação meteorológica os dados de lá provenientes. Podem ser de vários parâmetros meteorológicos, como chuva, vento, pressão, temperatura entre outros, que irão auxiliar o previsor a traçar ou localizar as massas de ar, as frentes, etc. Os mapas de tempo também são chamados de cartas meteorológicas ou cartas sinóticas. 

Massa de ar: Um corpo extenso de ar, ao longo do qual as características horizontais de temperatura e umidade são semelhantes.

Massa de ar Ártica: Massa de ar que se desenvolve ao redor do Ártico, caracterizada por reduzidas temperaturas observadas desde a superfície até alturas elevadas. O limite desta massa de ar é frequentemente definido pela frente Ártica, caracterizada por ser semi-permanente e semi-contínua. Ao mover-se de sua região de origem, estendendo-se para sul, esta massa de ar pode sofrer redução em altura.

Média diária de temperatura: A temperatura média de um dia, considerando-se a média das leituras horárias realizadas ou, mais frequentemente, as temperaturas máxima e mínima observadas.

Meia Rebarba: na plotagem do vento nas cartas meteorológicas a meia-rebarba é indicadora da velocidade de um vento de 5 nós. 

Meso-escala: Escala de fenômenos meteorológicos com extensão variando de alguns quilômetros até cem quilômetros aproximadamente. Isto inclui os Complexos Convectivos de Mesoescala, Sistemas Convectivos de Mesoescala e as rajadas de vento. Fenômenos de menores dimensões são classificados como de Microescala, enquanto que os de maior extensão são classificados como de Escala Sinótica.

Metar: Acrônimo para Meteorological Aerodrome Report (Relatório Meteorológico de Aeródromo). É um relatório codificado, associado às observações meteorológicas e utilizado para fornecer informações sobre condições do tempo na superfície. Geralmente é composto pelos seguintes itens: vento, visibilidade, alcance visual, tempo presente na pista, nebulosidade, temperatura do ar e do ponto de orvalho e pressão ao nível do mar (ajuste de altímetro).

Meteograma: são gráficos de um determinado ponto, grade do modelo, da previsão dos principais elementos meteorológicos utilizados na previsão. Os gráficos de cada elemento meteorológico é composto por um cabeçalho em vermelho que traz o nome da variável e a unidade de medida, as linhas pontilhadas na vertical indica o ponto de 00Z do dia, a linhas horizontais são a escala de cada elemento meteorológico.
Ex: Cabeçalho: traz as informações sobre o centro responsável pelo modelo (MCT / INPE CPTEC); tipo do modelo (regional model); data e hora dos dados da condição inicial do modelo (24AUGs 2005, 00Z); dia, mês, ano e hora zulu; localidade, cidade, Estado, BR (Alto Tietê, SP, BR); país, latitude e longitude (51.22W – 30.02S e altitude 0 m).

Meteoro: qualquer fenômeno diferente de uma nuvem, observado na atmosfera ou à superfície do Globo. Existem 4 tipos de meteoros: Hidrometeoros; Litometeoros; Fotometeoros; Electrometeoros. 

Meteorologia: Ciência que estuda a atmosfera e os seus fenômenos associados. Entre os vários campos de estudo, podem ser mencionados a meteorologia sinótica, física e dinâmica; a meteorologia aplicada à aeronáutica e marinha, agrometeorologia, hidrometeorologia, micrometeorologia e previsão numérica.

Meteorologista: Cientista que estuda a atmosfera e os fenômenos atmosféricos.

Meteorologia Observada: quadro que traz informações sobre as condições de tempo significativas que estão sendo monitoradas pelos meteorologistas e ou notícias, sobre transtornos causados por condições de tempo adversas.

Método das Analogias: método de previsão baseado na hipótese que a situação sinótica atual evolui da mesma maneira que evoluiria uma situação análoga no passado. 

Micro-barógrafo: Instrumento utilizado para registrar continuamente pequenas variações nos valores de pressão atmosférica, observados por um barômetro.

Microburst: Uma convecção descendente (downburst) que cobre uma área menor que 4 km com ventos de pico que duram de 2 a 5 minutos. A velocidade do vento pode ser maior do que 10 m/s. A forte resistência ao vento associada a uma microburst pode resultar em acidentes com aeronaves. Este fenômeno pode não estar associado a precipitações (chuvas).

Milibar: Unidade de medida para pressão atmosférica. Um milibar (mb) é equivalente a 0,750mm normais de mercúrio ou 100 newtons por metro quadrado. A pressão atmosférica padrão na superfície terrestre equivale a 1.013,2 milibares.

Milímetros: medida de precipitação.

Milímetros de mercúrio (Hg): Termo proveniente da utilização de barômetros de mercúrio, os quais associam a altura de uma coluna de mercúrio com a pressão atmosférica. Um milímetro de mercúrio é equivalente a 1.33 milibares ou 0,039 polegada de mercúrio.

Miragem: fenômeno óptico constituído, principalmente por imagens fixas ou ondulantes de objetos distantes.

Modelos Meteorológicos de Previsão de Tempo: spanididos em 2 tipos, são eles: Modelo Regional - ETA: o modelo ETA é um modelo de meso-escala, em ponto de grade, de equações primitivas. A versão do modelo ETA que roda operacionalmente no CPTEC é hidrostático e cobre a maior parte da América do Sul e oceanos adjacentes. A resolução horizontal atual é de 40 km e a vertical de 38 camadas. As previsões são fornecidas duas vezes ao dia, uma com condição inicial à meia noite e outra às 12h UTC. Modelo Global - MCGA: modelo de Circulação Geral da Atmosfera. A versão do modelo Global que roda operacionalmente no CPTEC cobre todo o Globo. A resolução horizontal atual é de 100 km. As previsões são fornecidas duas vezes ao dia, uma com condições iniciais à meia noite e outra às 12 h UTC.

Modelo Numérico: modelo de computador contendo equações atmosféricas, a fim de obter a previsão do tempo para vários dias. 

Monção: vento da circulação geral da atmosfera caracterizado pela persistência estacional de uma dada direção do vento e para uma variação marcante dessa direção de uma estação para a outra. 

Movimento Atmosférico: ar em movimento provocado por aquecimento desigual da atmosfera pelo sol. 

Movimento de Rotação: movimento responsável pelos dias e noites. A Terra gira de oeste para leste em torno de seu eixo imaginário, que passa pelos polos norte e sul, com um período de aproximadamente 24h. 

Movimento de Translação: trajetória da Terra em torno do sol e que determina a duração do ano em 365 dias e 6 horas. 

Movimento Vertical: é o componente vertical do movimento da parcela do ar. A sua magnitude, em geral, é muito menor, por duas a três ordens de magnitude, que os movimentos horizontais. 

Mutatus: termo empregado quando toda ou uma grande parte de uma nuvem sofre uma transformação interna completa, assim se tornando de um gênero em outro. É o caso por exemplo, do stratus em stratocumulomutatus.

 

N

Nascer do sol: Aparecimento diário do Sol no horizonte oriental, que acontece devido ao movimento de rotação da Terra.

National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA): Seção do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, é a organização de origem do Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos (National Weather Service). Promove a administração do meio-ambiente, em nível global, com ênfase para os recursos atmosféricos e marinhos. Para informação adicional, contate o NOAA, situado em Silver Spring, Maryland.

Neblina: suspensão de partículas de poeira fina e/ou fumaça no ar. Invisíveis a olho nu, as partículas reduzem a visibilidade e são suficientemente numerosas para dar ao ar um aspecto opaco. 

Nebulosidade: parte do céu encoberto por uma camada de nuvem. O conceito parte da spanisão da abóbada celeste em oito oitavos. 

Nevasca: Condição severa do tempo caracterizada por temperaturas reduzidas, ventos de 56km/h, ou mais, e grande quantidade de neve precipitando ou sendo soprada pelo vento. Esta condição frequentemente reduz a visibilidade para cerca de 400 metros, ou menos, e persiste por pelo menos três horas. Uma nevasca violenta é caracterizada por temperaturas ao redor de -12°C (10°F ), ou inferiores, ventos que excedem 72km/h e visibilidade reduzida quase a zero pela precipitação de neve.

Neve: Precipitação congelada, sob a forma de cristais de gelo translúcidos ou brancos, em geral em forma hexagonal e complexamente ramificados. É produzida frequentemente por nuvens do tipo stratus, podendo também ocorrer pancadas de neve a partir de nuvens do tipo cumulus. Normalmente os cristais são agrupados em flocos de neve. É informada como "SN" em observações meteorológicas e em código METAR.

Neve acumulada: Refere-se à quantidade de neve precipitada num dado período, normalmente representada em centímetros de altura de neve.

Névoa: conjunto de microscópicas gotículas de água suspensas na atmosfera. Não reduz a visibilidade como o nevoeiro e é, frequentemente, confundida com chuvisco. 

Névoa seca: Suspensão de partículas de poeira fina e/ou fumaça no ar. Invisíveis a olho nu, as partículas reduzem a visibilidade e são suficientemente numerosas para dar ao ar um aspecto opaco. É referida como "HZ" em observações meteorológicas e em código METAR.

Névoa úmida: Conjunto de gotas d'água microscópicas, suspensas na atmosfera. Não reduz a visibilidade, como o nevoeiro e frequentemente é confundida com chuvisco.

Nevoeiro: Agregado de minúsculas gotas d'água, suspensas na atmosfera, que se forma junto à superfície da Terra, reduzindo a visibilidade horizontal para menos de mil metros. É formado quando a temperatura do ar e o ponto de orvalho tornam-se próximos, ou iguais, e quando suficientes núcleos de condensação estão presentes. É referido como "FG" em observações meteorológicas e em código METAR.

Nimbustratus: Nuvem típica da formação de chuva ou neve. Muitas vezes, a elevada intensidade de precipitação gerada não permite a observação da base destas nuvens. Geralmente associadas com as condições climáticas do outono e do inverno, estas nuvens podem, no entanto, ocorrer em qualquer estação.

Nível Anemométrico: altura acima do solo em que é realmente exposto o anemômetro. 

Nivômetro Normal: valor padrão reconhecido de um elemento meteorológico, considerando a média de sua ocorrência em um determinado local, por um número determinado de anos. “Normal” significa a distribuição dos dados dentro de uma faixa de incidência habitual. Os parâmetros podem incluir temperaturas altas, baixas e variações; pressão, precipitação como chuva, neve, etc; ventos, velocidade e direção; temporais, quantidade de nuvens, percentagem de umidade relativa, etc. 

: Medida de velocidade náutica, igual à velocidade na qual uma milha náutica é percorrida em uma hora. Utilizado principalmente para interesses marítimos e em observações do tempo. Um nó é equivalente a 1,852 quilômetros por hora ou 1,151 milhas por hora.

Noctilucente: nuvem muito rara que se forma acima do nível onde se encontram as nuvens do tipo nacarada. Só aparecem à noite na ionosfera e só pode ser vista por causa de sua característica fosforescente. 

Normal: Valor reconhecido como padrão, para um parâmetro meteorológico. Considera a média de sua ocorrência, em um determinado local, por um período definido de anos. “Normal” encontra-se associado à distribuição de valores dentro de uma faixa de incidência habitual. Os parâmetros considerados podem incluir temperaturas (máxima, mínima e variações), pressão, umidade relativa, precipitação (chuva, neve, etc.), ventos (velocidade e direção), ocorrência de temporais, cobertura por nuvens, entre outros.

Nublado: Condição na qual ocorre cobertura total da abóbada celeste, por uma camada de nuvens. O conceito resulta da divisão da abóbada celeste em oito oitavos, considerados no somatório da área recoberta por nuvens, para uma camada específica.

Núcleos de condensação: Pequenas partículas existentes no ar. Sua presença possibilita a condensação do vapor d'água existente na atmosfera, resultando na formação de gotas d'água.

Nuvem: Um conjunto visível de partículas minúsculas de matéria, como gotículas d'água e/ou cristais de gelo, no ar. Uma nuvem se forma na atmosfera como resultado da condensação do vapor d'água sobre núcleos de condensação.

Nuvens esparsas: Condição na qual ocorre cobertura de três a quatro oitavos da abóbada celeste, por uma camada de nuvens. O conceito resulta da divisão da abóbada celeste em oito oitavos, considerados no somatório da área recoberta por nuvens, para uma camada específica.

Nuvem Vírgula: distúrbio de escala subsinótica que se forma em baixos ou médios níveis dentro da massa de ar frio. Esses sistemas, típicos de inverno, podem provocar chuvas intensas mesmo quando se formam sobre o continente.

 

O

Observação: Em meteorologia, é a estimativa de um ou mais parâmetros meteorológicos, como temperatura, pressão e/ou ventos, descrevendo o estado da atmosfera próximo à superfície ou em altitude. Um observador é aquele que registra os valores medidos e descreve os parâmetros meteorológicos.


Olho: centro de uma tempestade tropical ou furacão, caracterizado por uma área mais ou menos circular de ventos claros e chuvas esparsas. Um olho, normalmente, se desenvolverá quando a velocidade do vento exceder 124 Km/h. Pode variar em tamanho, de 8 a 96 quilômetros, mas o tamanho comum é de 32 quilômetros. Em geral, quando o olho começa a diminuir seu tamanho, a tempestade está se intensificando. 

Olho de tempestade: Centro de uma tempestade tropical ou furacão, caracterizado por uma área mais ou menos circular que apresenta ventos com reduzida velocidade e ausência de chuvas. Um olho de tempestade normalmente se desenvolverá quando a velocidade máxima de ventos contínuos exceder 124km/h. O olho de tempestade pode variar em tamanho, de 8 a 96 quilômetros, sendo sua dimensão média por volta de 32 quilômetros. Em geral, ocorre uma redução na dimensão do olho quando a tempestade torna-se mais intensa.

Onda Ciclônica: ondulação sobre uma frente numa carta sinótica de superfície. 

Onda de calor: Período de tempo excessivamente quente, resultando em desconforto ou danos à saúde. Pode durar vários dias ou várias semanas. Ocorre em áreas extensas, em escala sinótica.

Onda de Rossby: é o movimento ondulatório no plano horizontal da escala sinótica, na qual as regiões de vorticidade ciclônica e anticiclônica se alternam a medida que a onda propaga. A força restauradora desta onda é a força de Coriolis. 

Onda fria: Queda rápida de temperatura em um período de 24 horas e que demanda cuidados especiais na agricultura, indústria, comércio e atividades sociais.


Onda tropical: Outro nome atribuído a uma onda de leste. É uma área de baixa pressão relativa que se move para o oeste na corrente dos ventos alísios. Geralmente, está associada a uma extensa área de nebulosidade e chuva esparsa, e pode ocasionalmente dar origem a um ciclone tropical.

Organização Meteorológica Mundial (O.M.M.): World Meteorological Organization (WMO). Fundada pela Organização das Nações Unidas, em 1951, possui 184 membros e coordena a atividade científica global, visando uma maior disponibilidade e exatidão de informações meteorológicas, bem como de outros serviços para o público, com propósitos comerciais ou particulares. Suas atividades envolvem desde a previsão do tempo às pesquisas sobre poluição, incluindo atividades associadas às mudanças climáticas, estudos sobre a redução da camada de ozônio e previsão de tempestades tropicais. Para maiores informações, contate a OMM, situada em Genebra, Suíça.


Opacidade Atmosférica: poder que possui a atmosfera de se opor, numa certa medida, à propagação dos raios luminosos. 

Orvalho: Condensação, na forma de pequenas gotas d'água, que se acumula na grama e em pequenos objetos próximos ao solo. Esta condensação ocorre geralmente durante a noite, quando a temperatura se reduz, atingindo o ponto de orvalho.

Oscilação sul : Reversão periódica do padrão da pressão atmosférica, no Oceano Pacífico Tropical, durante eventos de El Niño. Representa a distribuição da temperatura e da pressão atmosférica sobre uma área oceânica.

Outono: Estação do ano entre o equinócio de outono e o solstício de inverno. Caracteriza-se pela redução de temperaturas nas latitudes médias. Ocorre nos meses de Março, Abril e Maio no Hemisfério Sul e nos meses de Setembro, Outubro e Novembro no Hemisfério Norte.

Oxigênio: Gás incolor, inodoro e insípido. O oxigênio é o segundo componente mais abundante do ar seco, contribuindo com 20,946% de seu total.

Ozônio: Gás quase incolor, de odor característico, composto por moléculas formadas a partir da união de três átomos de oxigênio.

 

P

Paleoclima: clima de um período pré-histórico cujas características principais podem ser reconstituídas. 

Pampero: vento da Argentina e sul do Brasil. Vento com um gradiente forte, que traz um ar seco e frio da Patagônia. 

Pancada: Precipitação que parte de uma nuvem convectiva, caracterizada por começo e fim súbitos, variações em intensidade e por rápidas alterações no aspecto do céu. Acontece na forma de chuva (SHRA), neve (SHSN), ou gelo (SHPE). É informada como “SH” em observações meteorológicas e em código METAR.

Pancada de neve: Precipitação congelada, em forma de neve, caracterizada por um começo e fim súbitos. É informada como “SHSN” em observações meteorológicas e em código METAR.

Parantisselênio: fotometeoro da família dos halos análogo ao parantélio, sendo que o astro luminoso é a lua. 

Parasselênio: fenômeno óptico da família dos halos, similar porém menos brilhante que o parélio, sendo que o astro luminoso é a lua. 

Pára-vento: dispositivo destinado a diminuir a força do vento numa região que ele protege e situada na direção do vento. 

Parcialmente nublado: Estado do tempo no qual há ocorrência de nuvens, mas não ocorre cobertura completa do céu em nenhum momento.

Parede do olho: Uma faixa de convecção organizada, que cerca o olho, ou centro de um ciclone tropical. Contém nuvens cumulonimbus, chuva intensa e ventos de elevada velocidade.

Passagem de frente: É a passagem de uma frente sobre um ponto específico na superfície. É percebida por variações no ponto de orvalho, temperatura, pressão atmosférica e direção do vento. Quando da passagem de uma frente, podem ocorrer nuvens e precipitação.

Pé-de-vento: vento violento de curta duração, que surge e desaparece rapidamente; tem lugar entre regiões adjacentes que apresentam grandes diferenças de pressão. 

Perfil de Vento: representação gráfica da variação da velocidade do vento com função de altura ou distância. 

Persistência: grau de constância de um elemento meteorológico quando uma massa de ar está sujeita a fatores modificadores. 

Perturbação: este termo pode ser aplicado para uma área de baixa pressão, ou ciclone pequeno em tamanho e influência ou para uma área que esteja exibindo sinais de desenvolvimento ciclônico. Região favorável à ocorrência de tempestades.

Perturbação Tropical: área de convecção organizada, que se origina nos trópicos, ocasionalmente nos sub - trópicos e que mantém suas características por 24 horas, ou mais. Com freqüência, é a primeira fase de desenvolvimento de qualquer depressão tropical subsequente, tempestade tropical ou furacão. 

Pico: ponto de interseção das frentes fria e quente de um ciclone extratropical.

Piezotropia: condição da atmosfera quando a densidade de algum elemento meteorológico depende unicamente da pressão. 

Plotagem: representação das condições gerais do tempo de uma determinada estação meteorológica nas cartas de previsão de tempo por meio de símbolos e algarismos. 

Pluviometria: estudo da precipitação incluindo sua natureza, distribuição e técnicas de medição. 

Pluviômetro: Instrumento utilizado para medir a quantidade de chuva acumulada. No Brasil, os valores obtidos são usualmente apresentados em milímetros.

Pluviómetro-Udómetro: instrumento que mede o índice de queda de chuva. Sua unidade de medida são centésimos de polegadas (0,01).

Poalha de Água: conjunto de gotículas de água arrancadas pelo vento de uma superfície muito extensa de água, geralmente das cristas das ondas, e transportadas à pequena distância na atmosfera. 

Poeira: Pequenas partículas de terra ou outra matéria, suspensas no ar. É referida como "DU" em observações meteorológicas e pelo METAR.

Poente ou por-do-sol: Desaparecimento diário do Sol no horizonte ocidental, que acontece devido ao movimento de rotação da Terra.

Polarização Atmosférica: transformação da luz solar natural em luz polarizada, ocasionada pela dispersão na atmosfera terrestre. 

Polegadas de Mercúrio: nome que vem do uso de barômetros mercuriais que comparam a altura de uma coluna de mercúrio com a pressão do ar. 

Ponto de congelamento: Temperatura na qual um líquido passa para o estado sólido. A água pura congela a 0°C ou 32°F, sob pressão de uma atmosfera. Quando ocorre elevação na concentração de sais, o ponto de congelamento da água se reduz.

Ponto de ebulição: Temperatura na qual um líquido passa para o estado gasoso. Temperatura na qual a pressão de vapor de equilíbrio, entre um líquido e seu vapor, é igual à pressão externa no líquido. O ponto de ebulição da água pura, considerando a pressão de uma atmosfera, é 100°C ou 212°F.

Ponto de Geada: temperatura máxima de formação de geada branca por sublimação, oriunda da umidade atmosférica sobre uma superfície polida e fria. 

Ponto de orvalho: Temperatura na qual ocorre saturação do vapor d'água contido em uma parcela de ar. A temperatura do ponto de orvalho é sempre inferior ou igual à temperatura do ar.

Pôr do Sol: desaparecimento diário do Sol no oeste do horizonte devido ao movimento de rotação da Terra. Nos Estados Unidos, é considerado como aquele momento em que a extremidade superior do Sol desaparece no horizonte no nível do mar. Na Inglaterra, refere-se ao momento em que o centro do disco do sol desaparece. O pôr do sol é feito de acordo com o nível médio da água do mar. 

Possibilidade de pancadas de chuva: previsão de pancadas de chuva com confiabilidade igual ou menor que 50%.

Precipitação: Todas as formas de água, líquida ou sólida, que caem das nuvens, alcançando o solo. Pode ser: chuvisco, chuvisco congelante, chuva congelante, granizo, cristais de gelo, pequenas bolas de gelo, chuva, neve, pequenas bolas de neve e grãos de neve. A quantidade precipitada é usualmente representada em milímetros de seu estado líquido, que cai sobre uma determinada região, em um determinado intervalo de tempo.

Precipitação de chuva e gelo: Precipitação típica do inverno, que se manifesta com a queda de chuva e pequenas pedras ou bolas de gelo que rebatem quando caem no solo ou em qualquer outra superfície rígida. É informado como "PE" em observações meteorológicas e em código METAR.

Predomínio de nublado: Condição na qual ocorre cobertura de cinco a sete oitavos da abóbada celeste, por uma camada de nuvens. O conceito resulta da divisão da abóbada celeste em oito oitavos, considerados no somatório da área recoberta por nuvens, para uma camada específica.

Predomínio de Sol: sol na maior parte do período.

Pressão: É a força por unidade de área, exercida pelo peso da atmosfera, sobre um ponto localizado na superfície da Terra ou acima da mesma.

Pressão ao nível do mar: Pressão atmosférica relativa ao nível médio do mar, normalmente determinada a partir de pressão observada em estação.

Pressão atmosférica: Pressão exercida pela atmosfera em um determinado ponto. Seu valor pode ser representado de várias formas: milibares, milímetros ou polegadas de mercúrio (Hg), entre outras.

Pressão barométrica: Pressão exercida pela atmosfera em um determinado ponto. Seu valor pode ser representado de várias formas: milibares, milímetros ou polegadas de mercúrio (Hg), entre outras.

Pressão da estação: Pressão atmosférica relativa à elevação da estação.

Pressão padrão de superfície: Medida de uma atmosfera de pressão, sob condições consideradas padrão. É equivalente a 1.013,25 milibares; 760 milímetros de mercúrio; 29,92 polegadas de mercúrio; 1.033 gramas por centímetro quadrado ou 14,7 libras por polegada quadrada.

Previsão: Descrição de ocorrências futuras esperadas. A previsão do tempo inclui o uso de modelos matemáticos baseados em parâmetros atmosféricos, associados à habilidade e experiência de meteorologistas.

Previsão de Clima: previsão numérica das condições meteorológicas futuras para um e seis meses, através de modelagem estatística de grande escala e de baixa resolução, expressa através de desvios positivos ou negativos em relação ao comportamento médio passado.

Primavera: Estação do ano entre o equinócio de primavera e o solstício de verão. Caracteriza-se pela elevação da temperatura nas latitudes médias. Ocorre nos meses de Setembro, Outubro e Novembro no Hemisfério Sul e nos meses de Março, Abril e Maio no Hemisfério Norte.

Prismas de Gelo: queda de cristais de gelo não ramificados, em forma de agulhas, prismas ou escamas, muitas vezes tão pequenos que parecem em suspensão no ar. Podem cair de uma nuvem ou de céu limpo. 

Projetor luminoso: Instrumento que consiste em um tambor e um sistema óptico que projeta um feixe estreito e vertical de luz sobre a base de nuvens.

Psicrômetro: Instrumento utilizado para medir o conteúdo de vapor d'água, ou umidade, da atmosfera. Consiste de dois termômetros, um de bulbo úmido e outro de bulbo seco. O valor da diferença entre as temperaturas registradas nestes dois termômetros é utilizado para estimar a umidade do ar.

Pulsação: Leves variações nas leituras do barômetro que são provocadas pelos ventos de rajadas ou pela oscilação de um navio.

Q

Queda Térmica: mudança de temperatura por unidade de altura. 

Quociente Pluviométrico: razão da quantidade de precipitação coletada durante um mês, para uma quantidade que seria obtida se a quantidade anual média fosse igualmente distribuída sobre todo os dias do ano. 

R

Rabo-de-galo: nome dado às nuvens cirrus em longas riscas delgadas. 

Radar: Acrônimo para Radio Detection And Ranging (“Detecção e Medida de Distância Por Rádio). É um instrumento eletrônico utilizado para detectar objetos e estimar sua distância. Seu princípio de funcionamento encontra-se baseado nos fenômenos de espalhamento e reflexão, resultantes da interação entre estes objetos e ondas de rádio. Nuvens e precipitação são detectados por equipamentos Radar, em função da intensidade dos sinais eletromagnéticos por eles refletidos.

Radar Doppler: Radar meteorológico que detecta a direção de deslocamento e velocidade de objetos em movimento. Gotas de precipitação podem ser detectadas pelo radar meteorológico e seu deslocamento horizontal (afastamento ou aproximação) pode ser determinado. A velocidade das partículas é medida utilizando-se do efeito Doppler. O radar foi batizado em homenagem ao físico austríaco J. Christian Doppler que, em 1842, explicou o motivo pelo qual o apito de um trem, ao se aproximar, é mais agudo do que o mesmo apito, quando do afastamento deste trem.

Radar sonda: equipamento usado para determinação dos ventos em altitude por meio de radar. 

Radiação: Processo pelo qual a energia é propagada através de um meio qualquer, sob a forma de ondas. Pode ser exemplificada pela radiação eletromagnética, que emite calor e luz, ou por ondas de som.

Radiação Solar: são ondas eletromagnéticas curtas emitidas pelo Sol responsáveis pelo aquecimento terrestre. 

Raio: Descarga súbita e visível de eletricidade, produzida em resposta à intensificação da diferença de potencial existente entre nuvem e solo; entre diferentes nuvens; dentro de uma única nuvem ou entre uma nuvem e o ar circunvizinho.

Rajada de vento: Aumento súbito e significativo, ou flutuações rápidas, na velocidade do vento. Ventos máximos devem alcançar pelo menos 16 nós (28,8 quilômetros por hora) e a variação entre estes máximos e o vento contínuo deve ser de pelo menos 10 nós (18,4 quilômetros por hora). A duração das rajadas de vento é normalmente inferior a 20 segundos.

Razão Adiabática: índice de queda da temperatura com a elevação. 

Recurvatura: mudança na trajetória de um ciclone tropical de seu movimento inicial normal para oeste, em seu movimento normal posterior para o polo e para este. 

Relâmpago: é a manifestação luminosa que acompanha a descarga momentânea entre duas nuvens com cargas elétricas ou entre uma nuvem e o solo. 

Relâmpago de Calor: relâmpago à distância que pode ser observado como um breve aclaramento próximo do horizonte, do céu ou de uma nuvem. 

Relâmpago Difuso: tipo de relâmpago associado a uma descarga inteira. 

Relâmpago em Bola: bola de fogo que às vezes aparece após um relâmpago.

Relâmpago Foguete: clarão de relâmpago que dá a aparência de uma rápida progressão perceptível aos olhos tanto à trajetória principal como sua ramificação. 

Remoinho: vórtice mais ou menos desenvolvido na atmosfera constituindo uma irregularidade local do vento. Todo vento próximo ao solo contém remoinhos, os quais em certos lugares produzem rajadas.

Ressaca: Elevação do nível do mar, comparativo aos períodos de não ocorrência de tempestades. Embora as elevações mais dramáticas estejam associadas à presença de furacões, sistemas de baixa pressão menos intensos podem resultar em ligeira elevação no nível do mar, caso o vento favoreça essa condição. É calculada subtraindo-se a maré astronômica normal, da maré observada em tempestade.

Resolução: grade de precisão do modelo. Por exemplo, o modelo ETA considera detalhes de relevo e condições regionais de uma grade de 40 por 40km.

Rotor: função vetorial que representa o grau de movimento do vórtice ao redor de um ponto. 

Rua de Nuvens: nuvens dispostas em filas, sensivelmente, paralelas à direção do vento e parecendo convergir, devido ao efeito de perspectiva, para um ou dois pontos opostos no horizonte.

 

S

Saffir-Simpson: a medida de intensidade de um furacão numa classificação de 1 a 5. O potencial de danos é baseado na pressão barométrica, na velocidade dos ventos e na elevação do nível do mar. 

Saraiva: pedras de gelo mais ou menos ovais variando em diâmetro de 5 mm ou mais. Podem cair separadas ou em blocos irregulares. São compostas de gelo vidrado ou de camadas opacas e claras, alternadamente; originam-se nas nuvens cumulonimbus. As temperaturas a superfície são normalmente superiores a 0º C. 

Satélite: Qualquer objeto que esteja na órbita de um corpo celeste, como uma lua, por exemplo. O termo, porém, é frequentemente utilizado para definir objetos construídos pelo homem e que estejam na órbita (geoestacionária ou polar) da Terra. Algumas das informações adquiridas por satélites meteorológicos, como o GOES9, incluem temperatura e umidade nas camadas superiores da atmosfera, registro da temperatura no topo de nuvens, da superfície da terra e dos oceanos. Os satélites também acompanham o movimento das nuvens para determinar a velocidade dos ventos em altos níveis, rastreiam o movimento do vapor de água, monitoram o Sol e a atividade solar e retransmitem dados provenientes de instrumentos meteorológicos distribuídos ao redor do globo.

Satélite de órbita polar: Satélite cuja órbita inclui passagens próximo a, ou sobre ambos os Polos da Terra.

Satélite geoestacionário: Satélite meteorológico que mantém a mesma posição relativa ao Equador, quando da rotação da Terra. Podem ser exemplificados pelos satélites da série GOES, acrônimo para Geostationary Operational Environmental Satellite (Satélite Ambiental Geoestacionário Operacional).

Saturação: condição que existe na atmosfera quando a tensão parcial exercida pelo vapor d'água presente é igual à máxima tensão possível à mesma temperatura. 

Scud: nome dado geralmente às nuvens pequenas que, normalmente, aparecem abaixo das nuvens que estão precipitando. 
Seca: Tempo excessivamente seco numa região específica. Deve ser suficientemente prolongado para que a falta de água cause sério desequilíbrio hidrológico.

Sensação térmica: Índice que descreve como a temperatura é fisiologicamente percebida pelos seres humanos. Quando associada ao calor, considera a temperatura e a umidade relativa do ar. Quando associada ao frio, considera os efeitos do vento e temperatura. Este índice não expressa a temperatura real do ar.

Sereno: vapor atmosférico leve ou pouco espesso que se transforma em chuva finíssima. 

Simum: vento quente e seco que sopra na direção norte nos desertos da Argélia, Síria e Arábia. 

Siroco: vento quente que sopra do mediterrâneo proveniente do deserto do Saara. O siroco alcança o norte da África ainda quente e seco, mas ao atravessar o Mediterrâneo torna-se úmido, chegando ao sul da Itália quente e úmido. É geralmente acompanhado por uma sensível diminuição de visibilidade. 

Sistema Convectivos: mostra a previsão de curto prazo, horas de antecedência e a evolução dos sistemas convectivos. Este produto permite o acompanhamento da evolução dos sistemas convectivos, normalmente associados a fortes chuvas, bem como a intensificação e a direção que o sistema poderá seguir. 

Sistema de alta pressão: Área com pressão superior àquela apresentada em áreas circunvizinhas, considerando-se um mesmo nível. Resulta em divergência de ventos, os quais se movem no sentido anti-horário no Hemisfério Sul e no sentido horário no Hemisfério Norte. Também conhecida como área de alta pressão; é o oposto de uma área de baixa pressão, ou ciclone.

Sistema de baixa pressão: Área com pressão inferior àquela apresentada em áreas circunvizinhas, considerando-se um mesmo nível. Resulta em convergência de ventos, os quais se movem no sentido horário no Hemisfério Sul e no sentido anti-horário no Hemisfério Norte. Também conhecida como área de baixa pressão; é o oposto de uma área de alta pressão, ou anticiclone.

Sistemas de pressão semi-permanentes: Sistemas de pressão e ventos relativamente estáveis e estacionários onde a pressão é predominantemente alta ou baixa com a mudança das estações. Não são sistemas de natureza transitória, como os sistemas de baixa pressão migratória que resultam das diferenças de temperatura e densidade.

Sistema Frontal: sistema frontal clássico, geralmente, composto de frente fria, frente quente e centro de baixa pressão na superfície chamado ciclone. 

Sistema de Pressão: caráter inspanidual em escala ciclônica da circulação atmosférica, comumente, usado para indicar tanto uma alta como uma baixa pressão e menos usado para indicar um cavado ou uma crista. 

Sistema Frontal: sistema de frente delineado sobre uma carta sinótica de superfície; mais particularmente, um completo sistema pertencente a uma depressão frontal especificada. 

Sistema Nebuloso: grupamento distinto e durável de nuvens, geralmente, compreendendo spanersas zonas diferenciadas denominadas de "setores nebulosos", congregando-os de maneira característica e em cada um dos quais o aspecto geral do céu como um todo apresenta particularidades marcantes. 

Sociedade Americana de Meteorologia: American Meteorological Society. Organização com sede nos Estados Unidos, que promove a formação e o avanço profissional associados às ciências da atmosfera, hidrológica e oceanográfica.

Sondagem: determinação de um ou vários elementos meteorológicos da atmosfera superior por meio de instrumentos transportados por balão, aeronave, papagaio (pipa) , planador, foguete, etc. 

Sondagem da Baixa Troposfera: as sondagens da baixa troposfera dizem respeito as condições meteorológicas até a altitude de 3 mil metros, em geral, dando ênfase especial a camada limite. 

Stratocumulus: Nuvem do tipo stratus, de baixa altura, composta por camadas ou elementos de nuvem. Pode se formar a partir da estratificação de nuvens do tipo cumulus e frequentemente aparece como elementos igualmente distribuídos, com formas arredondadas e/ou cilíndricas, com o topo e a base relativamente planos. Pode assumir tonalidades de um cinza claro ao escuro, dependendo da dimensão das gotas d'água e da quantidade de luz solar que a atravessa.

Stratus: Uma das três formas básicas de nuvem (as outras são cirrus e cumulus). Também é um dos dois tipos de nuvem baixa. Stratus é uma nuvem em forma de lençol, que não exibe elementos individuais, sendo, talvez, a mais comum de todas as nuvens baixas. É espessa e cinzenta e pode ser observada em camadas uniformes, situadas em baixas alturas, raramente ocorrendo acima de 1.500 metros acima da superfície. Nuvens stratus podem dar ao céu uma aparência brumosa. Nevoeiros podem se formar a partir de nuvens stratus que tocam o solo. Embora possa produzir chuvisco ou neve, raramente produz precipitação intensa. Nuvens que produzem precipitação intensa podem ocorrer sobre a camada de nuvem stratus.

Subpolar: faixa de baixa pressão entre as latitudes de 50 e 70 graus norte e sul. 

Subresfriado: condição em que o vapor d'água presente numa camada de ar estável é resfriado até o ponto de congelamento ou abaixo deste, sem se condensar. 

Subsidência: Movimento descendente do ar, usualmente observado em anticiclones. Mais frequente quando o ar em camadas superiores é mais frio e denso do que o ar em níveis inferiores. O termo é utilizado geralmente para indicar o oposto de convecção atmosférica.

Subtropical: faixa entre as latitudes de 20 e 50 graus norte e sul. 

Synop: dados de estações de superfície coletados nos horários sinóticos, codificados e distribuído para os spanersos órgãos de meteorologia.

Swell: onda formada longe da rebentação, geralmente associadas a sistemas sinóticos como uma baixa pressão, com ventos fortes e que geram ondas com energia suficientes para "sair" da zona da geração (proximidades da baixa). Também é conhecido como marulho.

T

Tampa: palavra muitas vezes usada para indicar o ponto de inversão de temperatura. O ar no ponto de inversão é mais quente e mais leve que o ar estável mais denso e mais frio abaixo, e assim ele age como uma tampa evitando que o ar inferior se eleve. 

Temperatura: Medida do nível de agitação molecular ou grau de calor de uma substância, estando associada à capacidade desta substância em receber ou transmitir calor. É medida em uma escala arbitrária com origem em zero grau absoluto, quando as moléculas teoricamente param de mover-se.

Temperatura do Ar: temperatura reinante em um ponto da atmosfera.

Temperatura média: Valor médio das temperaturas registradas durante um período específico de tempo. É muitas vezes estimada através do cálculo da média entre as temperaturas máxima e mínima.

Temperatura Potencial: temperatura que a parcela do ar em questão atingiria se ela fosse deslocada adiabaticamente para um nível de pressão de referência, onde a temperatura no nível de pressão é constante do gás, o calor especifico do ar, a pressão constante. 

Temperatura Virtual: temperatura que o ar seco teria para igualar a sua densidade com a densidade da parcela do ar em questão, em condições iguais de pressão. Como o ar úmido é mais leve que o ar seco em condições iguais de pressão.

Tempestade: Produzidas por nuvens do tipo cumulonimbus, são eventos de micro-escala e de curta duração caracterizados por trovoadas, raios, rajadas de vento, turbulência, granizo, gelo, chuva, ventos fortes descendentes e em situações extremas, tornados.

Tempestade de Areia: areia levantada no ar por ventos fortes. 

Tempestade de Gelo: intensa formação de gelo sobre objetos ocasionada pelo resfriamento. 

Tempestade de Granizo: tempestades que ocorrem somente com a presença de grandes nuvens cumulonimbus e que são produzidas pelas rápidas correntes de ar ascendentes e descendentes que chegam a alcançar 30 ou 40 nós. 

Tempestade tropical: Ciclone tropical cujos ventos contínuos na superfície variam entre 63 quilômetros por hora (34 nós) e 116 quilômetros por hora (63 nós). Quando uma Tempestade Tropical é identificada o fenômeno recebe um nome e tem sua trajetória monitorada.

Tempo: Estado da atmosfera em um determinado período, associado a sua influência na vida e atividades do ser humano. É a variação atmosférica de curto prazo, ao contrário das mudanças climáticas, que são variações de longo prazo. O tempo é frequentemente descrito em termos de luminosidade, nebulosidade, umidade, precipitação, temperatura, visibilidade e vento.

Tempo bom: Descrição subjetiva do tempo. Considerado como condições agradáveis do tempo para um dado período do ano e localização física.

Tempo Estável: tempo bom; condições de céu claro ou parcialmente nublado.

Tempo Instável: mau tempo; condições favoráveis para chuva.

Tempo médio de Greenwich: Convenção utilizada para identificar o tempo de referência no planeta, definido a partir do fuso horário Zero. Este fuso abrange o meridiano de referência, que passa por Greenwich, Inglaterra, onde este método de divisão de tempo mundial foi inicialmente utilizado. Segundo o método, o globo é dividido em 24 fusos horários de 15 graus de arco, ou distantes uma hora entre si. A leste do meridiano de Greenwich, os fusos vão de uma a 12 horas, antecedidos pelo sinal negativo (-), indicando o número de horas a ser subtraído para se obter o Tempo Médio de Greenwich (TMG). A oeste, os fusos horários vão de uma a 12 horas, mas são antecedidos pelo sinal positivo (+), indicando o número de horas a ser somado para se obter o TMG.

Tempo severo: Qualquer evento de tempo destrutivo, estando em geral associado a tempestades localizadas como temporais fortes, nevascas ou tornados.

Tendência Geopotencial: variação do geopotencial com tempo em um dado local. A equação da tendência geopotencial é uma importante ferramenta para previsores de tempo.

Termociclogênese: formação de uma depressão ou de um anticiclone na parte inferior da troposfera, causada segundo a teoria concernente, pelas variações de pressão na tropopausa superior e na estratosfera interior e pelas variações de temperatura nas camadas baixas. 

Termógrafo: Termômetro utilizado para medir temperaturas e registrar, de forma contínua, seus valores em um gráfico.

Termômetro: Instrumento utilizado para medir a temperatura. O valor medido pode ser representado através de diferentes escalas, sendo Celsius, Fahrenheit e Kelvin as mais utilizadas em meteorologia.

Termômetro de bulbo seco: Termômetro utilizado para medir a temperatura ambiente. A temperatura registrada é considerada equivalente à temperatura do ar. Um dos dois termômetros que compõem um psicrômetro.

Terral: vento que sopra da Terra, brisa terrestre. 

Teto: Altura da camada mais baixa de nuvens que cobre mais da metade do céu. Se o céu estiver totalmente obscuro, o teto é a altura resultante da quantificação da visibilidade vertical.

Topo: superfície bem definida criada por uma formação meteorológica qualquer cobrindo 4/8 do céu, acima da qual existe visibilidade ilimitada, horizontal e vertical. 

Tormenta: Súbita tempestade de breve duração bastante afim a uma trovoada, mas não, necessariamente, acompanhada de trovão. Duração mais longa que de uma rajada. 

Tornado: Coluna de ar com movimento circular violento, que estende-se desde a base de uma nuvem convectiva até a superfície da Terra. É o fenômeno mais destrutivo na escala de tempestades atmosféricas. Pode ocorrer em qualquer parte do mundo, quando se verificam as condições específicas de tempo, embora seja mais frequente nos Estados Unidos, na região conhecida como Corredor dos Tornados.

Torvelinho: diminuto de tornados que ocorrem em ar seco e com falta de nuvens e chuva. 

Trajetória: caminho seguido por um corpo ou parcela do fluido ao se movimentar no espaço. 

Transmissão: propagação da energia ou do calor de um lugar para o outro. 

Tremulina: agitação aparente dos objetos à superfície do Globo, quando vistos na horizontal. Ocorre, principalmente, em Terra quando o Sol está muito brilhante. É devido a flutuações de curto período no índice de refração das camadas superficiais da atmosfera. 

Trend: termo de uso internacional indicativo das previsões do tipo tendência para pouso de aeronaves. 

Tromba d'água: tornado que ocorre sobre a água. A tempestade eleva para a atmosfera a água da superfície. Uma tromba d’água em geral desaparece quando encontra terra.

Trópicos Meteorológicos: dois cinturões bem definidos de alta pressão barométrica, que circundam completamente a Terra. 

Trovão: Som emitido pela rápida expansão de gases, ao longo de um canal de descarga elétrica, gerado por um raio. Mais de três quartos da descarga elétrica é utilizada no aquecimento de gases no interior e ao redor da área visível do relâmpago. As temperaturas podem elevar-se a mais de 10.000 graus Celsius em microssegundos, resultando em uma violenta onda de pressão, composta de compressão e expansão. O estrondo do trovão é criado quando nossos ouvidos são atingidos por diferentes ondas, resultantes de uma mesma descarga, porém com origens localizadas a diferentes distâncias do observador.

Trovoada: combinação de trovão e relâmpago com ou sem chuva.

Tufão: Nome dado aos ciclones tropicais com velocidade de ventos contínuos igual ou superior a 120km/h (65 nós), no Oceano Pacífico Norte ocidental. Ciclones tropicais com as mesmas características são chamados de furacões no Pacífico Norte oriental e Oceano Atlântico Norte, e de ciclones no Oceano Índico.

Turbidez: redução da transparência da atmosfera provocada pela absorção e dispersão da radiação por partículas líquidas ou sólidas mantidas em suspensão e que não sejam nuvens. 

Turbulência: Movimentos irregulares e abruptos na atmosfera, causados pelo deslocamento de pequenos redemoinhos na corrente de ar. A turbulência atmosférica é causada por flutuações aleatórias no fluxo do vento. Pode ser causada por correntes térmicas ou convectivas, diferenças no relevo, variação na velocidade do vento ao longo de uma zona frontal, ou alterações na temperatura e pressão.

Turbulência em céu claro: Nome dado à turbulência que pode ocorrer quando o ar está perfeitamente claro, sem nenhuma nebulosidade. É mais comum nas proximidades de correntes de jato, onde se encontra cisalhamento horizontal e vertical do vento, embora não esteja limitada a estas áreas. Pode acontecer também em regiões próximas a montanhas, em áreas de baixa pressão em altos níveis e em regiões de cisalhamento no vento. Pode ser chamada de TAC.

Twister: Uma gíria, utilizada nos Estados Unidos, como referência a Tornado.

 

U

Umidade: Diz respeito à quantidade de vapor d'água no ar. É frequentemente confundida com umidade relativa ou ponto de orvalho.

Umidade relativa: Razão entre a quantidade de vapor d'água contida no ar e a quantidade máxima que o ar pode conter sob as mesmas condições de temperatura e pressão. É expressa em percentagem.

Udógrafo: são udômetros utilizados de modo a fornecer um registo contínuo da precipitação.

Udômetros: instrumento mais simples de medir a precipitação da chuva. A quantidade de precipitação que se encontra no recipiente é medida em intervalos de tempo regulares. 

Unidades: são medidas padrões das variáveis do estado e de movimento dos fluidos, corpos e matéria em geral. As unidades básicas padrões usados são metro, quilograma, segundo e graus Celsius e Kelvin. 

Updrafts: movimento ascendente e muito rápido de colunas de ar para altitudes de 180 mil metros. Este fenômeno ocorre num furacão. 

UTC: tempo médio de Greenwich. 

 

V

Vapor de água: Água em forma gasosa. É um dos componentes mais importantes da atmosfera. Devido ao seu conteúdo molecular, o ar que contém vapor d'água é mais leve que o ar seco. Isto contribui para que o ar úmido tenda a elevar-se na atmosfera.


Velocidade Angular: taxa de variação do ângulo com o tempo em um movimento rotacional. 

Velocidade do vento: Quantificação do movimento do ar numa unidade de tempo. Pode ser representada de várias formas, sendo as mais utilizadas: nós, metros por segundo e quilômetros por hora. A unidade mais frequentemente adotada nos Estados Unidos é milhas por hora.

Velocidade Vertical: componente vertical do movimento de uma parcela do ar. Sua intensidade é fraca em comparação com os componentes horizontais de movimento. 

Ventania: vento numa velocidade entre 34 a 40 nós. 

Vento: Ar que flui, geralmente na horizontal, em relação à superfície da Terra. O vento é medido e caracterizado de acordo com a sua direção, velocidade, tipo (rajadas ou contínuo) e giro na direção do vento. Ventos de superfície são medidos por cataventos e anemômetros, enquanto que os ventos em altos níveis atmosféricos são detectados por balões piloto, sondas meteorológicas ou informações de aeronaves.

Vento Catabáticos: são ventos que se precipitam pelas encostas inclinadas das montanhas para os vales. É o oposto de ventos Anabáticos. 

Vento de Leste: Termo aplicado aos extensos padrões de ventos persistentes, com componente predominante de leste, como os ventos alísios.

Vento Geostrófico: definido como vento uniforme e estacionário tangencial às isóbaras retas e paralelas em uma atmosfera sem atrito. É proporcional ao gradiente de pressão. A força de Coriolis atua para a esquerda e a força do gradiente de pressão atua para a direita do vento geostrófico no Hemisfério Sul. As duas forças estando em perfeito balanço, as parcelas do ar não sofrem aceleração. Longe de superfície e barreiras orográficas e longe dos centros de pressão, onde as isóbaras apresentam grandes curvaturas, o vento observado na escala sinótica nas latitudes médias é aproximadamente geostrófico.

Vento Gradiente: é o movimento curvilíneo estacionário tangencial às isóbaras paralelas com curvatura das parcelas do ar sem atrito. As três forças que atuam sobre as parcelas do ar, gradiente de pressão, Coriolis e centrípeta, mantém um perfeito balanço e as parcelas não sofrem aceleração da magnitude do vento gradiente. Em volta de centros de baixa pressão o vento gradiente é maior que o vento geostrófico e em volta dos centros de alta pressão o vento gradiente é menor que o vento geostrófico.

Vento Térmico: vento geostrófico na base e no topo de uma camada atmosférica. A variação do vento geostrófico com altura se deve ao gradiente térmico na horizontal. 

Ventos Alísios: Ventos persistentes que sopram desde centros de alta pressão subtropical em direção ao cavado equatorial, ou Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). São ventos de baixos níveis atmosféricos caracterizados por grande consistência em sua direção. No Hemisfério Sul os ventos alísios sopram de sudeste e no Hemisfério Norte sopram de nordeste.

Ventos do Oeste: Termo associado aos padrões de ventos persistentes, com componente predominante de oeste. São os ventos dominantes em latitudes médias de ambos hemisférios. Próximo à superfície da Terra, os ventos do oeste se estendem de aproximadamente 35 até 65 graus de latitude enquanto que em altos níveis, abrangem área ainda mais extensa.

Ventos Convergentes: dois cinturões de ventos persistentes, originários de alta pressão subtropical central, que sopram do leste na direção da cavada equatorial. Basicamente, são ventos de nível mais baixo caracterizados por um grande poder de direção. No Hemisfério Norte, os ventos convergentes sopram do nordeste e no Hemisfério Sul, sopram da direção sudeste. 

Verão: Estação do ano entre o solstício de verão e o equinócio de outono. É caracterizado como o período mais quente do ano, exceto em algumas regiões tropicais. Ocorre nos meses de Dezembro, Janeiro e Fevereiro no Hemisfério Sul e nos meses de Junho, Julho e Agosto no Hemisfério Norte.

Véu de Nuvens: lençol de nuvens, completamente transparente, o que permite a perfeita localização do sol ou da lua. 

Virga: Feixe de precipitação líquida ou sólida, que evapora antes de alcançar a superfície da terra. Vista a distância, pode ser confundida com uma nuvem em forma de funil, ou tornado. Em geral, é produzida por nuvens do tipo altocumulos, altostratos, ou cumulonimbus de base elevada.

Visibilidade: Medida da opacidade da atmosfera, ou a maior distância que uma pessoa com visão normal pode enxergar um objeto específico. O Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos (National Weather Service) classifica o conceito em diferentes categorias. Visibilidade de superfície é determinada a partir de um ponto de observação padrão. Visibilidade predominante representa as condições de visibilidade na estação meteorológica. Visibilidade de setor é a visibilidade numa direção específica e que representa no mínimo um arco de 45 graus da linha do horizonte. Visibilidade de torre é a visibilidade determinada a partir torre de controle de tráfego aéreo de um aeroporto.

Visibilidade Meteorológica: distância máxima a que se pode ver e identificar contra o céu no horizonte um objeto negro de dimensões convenientes. 

Volume Específico: volume de um gás por massa unitária. O volume específico da água em condições normais é de 1 litro por quilograma.

Vórtice: movimento circular assumido pelo fluido, aparecendo na forma de um funil. 

Vorticidade: estabelece um campo vetorial que dá a medida microscópica de rotação em cada ponto do fluído. É um campo vetorial definido como rotacional da velocidade.

Vorticidade Absoluta: dada pelo rotacional da velocidade absoluta. Em meteorologia dinâmica em grande escala, geralmente está interessado somente com o componente vertical da vorticidade absoluta.

Vorticidade Potencial: definida como o produto da vorticidade absoluta e a estabilidade estática

Vorticidade Relativa: dada pelo rotacional da velocidade relativa. Em meteorologia dinâmica em grande escala, geralmente está interessado somente com o componente vertical da vorticidade relativa.

 

W

Williwaw: nome dado ao vento no Alaska que sopra fortes rajadas de ar frio, misturado com chuva e neve, e dura apenas um ou dois minutos. É, normalmente, acompanhado por uma parede de nuvens escuras e um aguaceiro tempestuoso. 

Williy-Willies: nome dado na Austrália para furacões.

 

X

Atualmente não existem termos iniciando com esta letra em nosso glossário.

Y

Atualmente não existem termos iniciando com esta letra em nosso glossário.

Z

Zonda: é o nome dado ao vento seco e quente que, ocasionalmente, sopra de Oeste nas cordilheiras das montanhas nos Andes, descendo pelo lado da cordilheira resguardado do vento. Zona de Auroras: região ao redor de ambos os polos magnéticos dentro da qual a aurora é mais frequente e ativa.

 

ZCAS - Zona de Convergência do Atlântico Sul: região com muitas nuvens associadas a chuvas ora forte ora intermitente que persiste por no mínimo quatro dias e podem causar grandes transtornos como alagamentos, desabamentos e transbordamento.

Zona de Convergência Intertropical: Área onde os ventos alísios provenientes dos Hemisférios Norte e Sul convergem. Geralmente, localiza-se na região compreendida pelos paralelos de 10 graus, ao norte e ao sul do Equador. É uma extensa área de baixa pressão atmosférica onde, tanto o efeito Coriólis, como o gradiente de pressão atmosférica em baixos níveis são desprezíveis, permitindo ocasionalmente a formação de distúrbios tropicais. Sua posição média varia de acordo com a área de maior incidência de radiação solar. Sendo assim, durante o inverno no Hemisfério Sul, a ZCIT se move em direção ao norte sobre o sul do Atlântico Norte e sul da Ásia.

Zona Frontal: camada atmosférica de transição que separa duas massas de ar e na qual as propriedades são intermediárias entre as massas de ar envolvidas. 

Zulu – Coordenadas do tempo: Convenção utilizada para identificar o tempo de referência no planeta, definido a partir do fuso horário Zero. Este fuso abrange o meridiano de referência, que passa por Greenwich, Inglaterra, onde este método de divisão de tempo mundial foi inicialmente utilizado. Segundo o método, o globo é dividido em 24 fusos horários de 15 graus de arco, ou distantes uma hora entre si. A leste do meridiano de Greenwich, os fusos vão de uma a 12 horas, antecedidos pelo sinal negativo (-), indicando o número de horas a ser subtraído para se obter o Tempo Médio de Greenwich (TMG). A oeste, os fusos horários vão de uma a 12 horas, mas são antecedidos pelo sinal positivo (+), indicando o número de horas a ser somado para se obter o TMG.

 

Encontrou algum erro no conteúdo desta página?  Envie e-mail para meteorologia@anac.gov.br para reportar o erro.