Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Setor Regulado > Profissionais da Aviação Civil > Meteorologia Aeronáutica > Destaques > Camadas Atmosféricas significativas
conteúdo

Camadas Atmosféricas significativas

publicado 14/02/2020 13h15, última modificação 14/02/2020 14h06

A identificação das características de cada uma das camadas (divisões verticais) da atmosfera é item do conteúdo programático dos cursos:

Piloto Privado de Avião (MCA 58-3)
Piloto Privado Helicóptero (MCA 58-4)
Comissário De Voo (MCA 58-11)
Despachante Operacional de Voo
Piloto Comercial – Helicóptero
Piloto Comercial Avião

https://www.anac.gov.br/acesso-a-informacao/biblioteca/manuais-de-cursos-da-anac

 

FAA AC 00-6B: https://www.faa.gov/documentlibrary/media/advisory_circular/ac_00-6b.pdf

 

Estrutura vertical variável

A atmosfera terrestre possui uma estrutura vertical extremamente variável quanto aos aspectos composição, temperatura, umidade e movimentos. Para fins de estudo, costuma-se dividir a atmosfera em várias camadas, em cujas regiões encontramos peculiaridades relevantes. As principais são:

 

Troposfera

Também chamada de baixa atmosfera, é a camada que se encontra em contato com a superfície, apresentando uma maior concentração gasosa. Sua espessura varia segundo as estações do ano e a latitude. Nas regiões tropicais, sua altitude varia de 17 a 19 km; nas regiões de latitudes médias, de 13 a 15 km e nas regiões polares, de 7 a 9 km. Ela corresponde ao invólucro onde ocorrem os fenômenos meteorológicos mais importantes e que afetam diretamente a vida sobre a superfície terrestre. É a camada menos espessa, mas é a mais densa. O ar junto ao solo é mais quente, diminuindo de temperatura com a altitude até atingir -60ºC. A zona limite chama-se tropopausa. Aqui a temperatura mantém-se constante.

Praticamente todo o vapor d'água da atmosfera se encontra na Troposfera, razão pela qual ali se desenvolvem os principais fenômenos; e o aquecimento da Troposfera se dá, principalmente, por absorção da radiação de ondas longas, emitidas pela superfície terrestre, a qual, por sua vez, aquece-se pela absorção de ondas curtas emitidas pelo Sol. Por esta razão, a superfície é considerada como fonte de calor para a Troposfera. É nela que ocorrem os fenômenos atmosféricos, o calor, os ventos e as chuvas. A temperatura média varia de 20°C na parte inferior a 60°C negativos na parte superior. É nessa camada que se concentram os poluentes, acontecem os fenômenos de precipitação, onde circulam os balões tripulados e aviões a jato.

 

Tropopausa

Embora não seja propriamente uma camada, a Tropopausa é uma região de transição entre a Troposfera e a camada seguinte. Para a aviação, a Tropopausa tem grande significado em virtude da localização dos fortes ventos e das áreas de intensa turbulência. Por ser considerada o topo da Troposfera, a altitude da Tropopausa se altera segundo os mesmos critérios de variação daquela camada. Sua principal característica é possuir um gradiente térmico vertical muito pequeno e, na maioria das vezes, isotérmico, com espessura que varia de 3 a 5 km.

 

Estratosfera

Camada que se estende até cerca de 50 Km acima da superfície terrestre, onde ocorre moderada penetração de radiação ultravioleta, que é absorvida pelo oxigênio molecular, o qual se decompõe e forma uma zona de concentração de Ozônio com espessura entre 25 a 35 Km. Este fato produz calor e torna esta área mais aquecida e com características próprias. A presença do ozônio na atmosfera é essencial à manutenção da vida, como se apresenta, no planeta. A sua eliminação ou diminuição em grande escala podem modificar e modificam a fauna, a flora, enfim, todos os seres vivos da Terra; podem determinar efeitos imprevisíveis aos ecossistemas terrestres e, especialmente aos seres humanos. Também chegam até a estratosfera os balões meteorológicos, os aviões supersônicos e as nuvens geradas por explosões atômicas. É também na estratosfera que ocorre o efeito estufa, que é um fenômeno que resulta no aquecimento da atmosfera do Planeta, intensificado pela emissão de certos gases para a atmosfera, como o dióxido de carbono (CO2), produzido na queima de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e por queimadas.