Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Brasil e EUA celebram acordo de transportes aéreos
conteúdo

Notícias

Brasil e EUA celebram acordo de transportes aéreos

Decreto assinado nesta terça-feira (26) promulga pacto que retira o limite de frequência de serviços aéreos entre os países
publicado: 27/06/2018 11h53, última modificação: 27/06/2018 11h53

Como forma de eliminar barreiras entre os países, foi assinado nesta terça-feira (26) o acordo sobre Transportes Aéreos entre Brasil e Estados Unidos da América, conhecido como acordo de Céus Abertos. A partir do documento, será possível sobrevoar o território do outro país sem pousar, além de retirar o limite de frequência de voos entre as duas nações. 

Aprovado em março pelo Senado, determina o fim do limite da frequência de voos entre os países, o que vai permitir maior competição entre as empresas e maior número de frequências aéreas.

Aproximação

Além da assinatura do acordo, Brasil e Estados Unidos também discutiram a aproximação entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Nasa, para impulsionar projetos estratégicos entre os países. "Vamos progredir nas negociações de salvaguardas tecnológicas, com vistas ao uso comercial da Base de Alcântara e também aprofundaremos nossos esforços conjuntos para o desenvolvimento científico-tecnológico e a prosperidade de nossos povos", defendeu Temer.

 “O Brasil é o primeiro país da América Latina a ser parceiro dos EUA nesse aspecto” ressaltou Pence, ao tratar das conversas entre a AEB e a contraparte norte-americana.

Parceria

Maior economia do mundo, os EUA são o segundo maior parceiro comercial do Brasil. Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços mostram que, no ano passado, o comércio bilateral entre os países somou US$ 51,8 bilhões. O Brasil exportou US$ 26,8 bilhões e importou US$ 24,8 bilhões.

Em 2016, o estoque externo direto de investimentos norte-americanos no Brasil somou US$ 103,6 bilhões; o do Brasil nos EUA, US$ 36,9 bilhões. Estima-se que os investimentos brasileiros criem cerca de 100 mil empregos diretos em território norte-americano.

Fonte: Planalto