Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > ANAC participa do International Brazil Air Show 2019 em São Paulo
conteúdo

Notícias

ANAC participa do International Brazil Air Show 2019 em São Paulo

Evento reúne pela 2ª vez no Brasil setores estratégicos para o desenvolvimento da aviação civil
publicado: 12/09/2019 18h30, última modificação: 12/09/2019 18h53
Diretor da ANAC Ricardo Bezerra participa do IBAS 2019

Diretor da ANAC Ricardo Bezerra participa do IBAS 2019

São Paulo, 12 de setembro de 2019 - Novas tecnologias, avanço regulatório e investimentos no setor foram os temas que marcaram a abertura da 2° edição do International Brazil Air Show (IBAS) 2019, que está ocorrendo entre os dias 11 e 13 de setembro no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. Pela 2° vez no Brasil, o evento reúne a indústria aeroespacial e de infraestrutura, além de órgãos de governo em âmbito nacional e internacional, para discutir as melhores práticas para o desenvolvimento da aviação civil.

Durante a abertura, o diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) Ricardo Bezerra citou os recentes avanços na desregulamentação do setor, que está permitindo novos investimentos no Brasil, tanto para a área de infraestrutura quanto para a atração de empresas aéreas com novos modelos de negócio. “O Brasil é destaque mundial na aviação atualmente e a ANAC está buscando equiparar suas regulações com as melhores práticas internacionais”, afirmou o diretor Bezerra. A solenidade de abertura do IBAS contou, ainda, com a participação de outras autoridades da aviação civil e do governo brasileiro.

No 1° dia de evento, a ANAC também esteve presente nos principais painéis de discussões sobre o futuro da aviação civil brasileira. Diretores e superintendentes da Agência participaram de palestras e workshops sobre concessões de infraestrutura aeroportuária, turismo, handling e o modelo de negócio low cost de empresas aéreas.

Durante o Workshop de Ground Handling, o diretor Ricardo Bezerra destacou a importância da regulação para o crescimento do setor de aviação civil. ‘’A aviação civil trabalha com elos e todos eles precisam trabalhar em consonância para o setor funcionar com excelência. E nesse cenário, o regulador precisa olhar e regular para todos os elos’’, afirmou o diretor. Para o setor de handiling, Bezerra destacou que vem trabalhando na intensificação da fiscalização para coibir empresas que não cumprem com a regulação, além de visar as melhores práticas internacionais na elaboração de normas para o setor.

No painel Turismo e o Transporte Aéreo: Conectividade e o Desenvolvimento Econômico, o superintendente de Acompanhamento de Serviços Aéreos da ANAC, Ricardo Catanant, discursou sobre a contribuição da perspectiva do regulador para o setor, principalmente na defesa da liberdade tarifária. “Temos um marco legal muito bem estabelecido sobre o tema e sobre a regulação da Agência”, afirmou Catanant. Sobre a desregulamentação da bagagem, o superintendente relembrou que o Brasil era um dos poucos países que ainda regulavam a franquia de malas despachadas e que a liberdade de oferta e de preços proporciona a vinda de empresas ultra low cost para o país.

Catanant também listou três pontos que considera imprescindíveis para o desenvolvimento da aviação civil brasileira: 1) a necessidade de expansão com os contratos de concessão (liberdade para ajustar infraestrutura e demanda); 2) os acordos de serviços aéreos, essencial para o turismo (o Brasil está na vanguarda na negociação de acordos, inclusive com os de open skies) e; 3) a importância de se avançar nas pequenas questões regulatórias como a desregulação da franquia de bagagem, além de outros marcos que tratam dos direitos e deveres dos passageiros (o que deve ou não ser regulado).  

 Sobre concessões, o superintendente de Regulação Econômica de Aeroportos, Tiago Pereira, relatou as principais lições aprendidas no workshop Concessão de Aeroportos. Para Pereira, as concessões aeroportuárias foram de suma importância para comportar o grande crescimento do setor, e muitas lições e ajustes foram sendo incorporados nos contratos de concessão aeroportuários. “No início das concessões, vislumbramos a participação da Infraero e altos valores de investimento. Hoje, temos contratos mais ajustados com a demanda, principalmente por causa das questões econômicas que o país vem passando, além de desarranjos na composição das concessionárias”, relatou Pereira.

Pereira também frisou que o modelo foi bem-sucedido desde o início, mas foi se aperfeiçoando com os novos contratos, gerando mudanças na parte tarifária, com mais liberdade, investimentos conforme a demanda, novos valores e forma de pagamento de outorga. Para os próximos contratos, o superintendente da área de concessões destaca que ainda há muitos pontos a serem aperfeiçoados para dar mais liberdade de negociação entre concessionária e empresa aérea, e outros pontos a serem estudados.

Finalizando o primeiro dia, o diretor Juliano Noman e o secretário de Aviação Civil do Ministério da Infraestrutura, Ronei Glanzmann, participaram do ShowCase Low Cost Airlines: Oportunidades de negócios para empresas low cost no Brasil.

Assessoria de Comunicação da ANAC
Gerência Técnica de Relações com a Imprensa
E-mail: jornalismo@anac.gov.br
www.anac.gov.br

registrado em: , , , ,