Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Páginas Temáticas > Meio Ambiente > Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas da Aviação Civil 2014
conteúdo

Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas da Aviação Civil 2014

publicado 04/03/2016 15h59, última modificação 06/04/2016 15h03

No ano de 2014, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) publicou o primeiro Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas da Aviação Civil. O documento inédito é uma importante ferramenta de gestão ambiental, capaz de detalhar a evolução das emissões de poluentes atmosféricos e gases de efeito estufa do transporte aéreo ao longo dos últimos nove anos.

As informações publicadas têm como base um sistema de cálculo de emissões baseado em dados de movimentos de aeronaves fornecidos pelo Departamento de Controle do Trafego Aéreo (DECEA) e servirá de base para estudos de monitoramento de emissão de gases, além de fomentar programas ambientais e de eficiência energética na aviação civil brasileira.

O documento surgiu de uma necessidade identificada pela Agência de reduzir a assimetria de informações quanto ao verdadeiro impacto da operação de aeronaves sobre a poluição do ar. As análises apresentadas no Inventário fornecem melhores subsídios para a atuação da Agência em conflitos ambientais e permitirão o desenho de medidas operacionais que reduzam ou mitiguem o impacto ambiental da aviação civil no país, além de preparar o setor para a inserção em futuros mercados de créditos de carbono e permitir a avaliação do impacto da atividade em âmbito regional e local, analisando separadamente cada aeroporto. O inventário, que levou oito meses de preparação, foi elaborado em parceria com o Instituto de Energia e Meio Ambiente de São Paulo (IEMA), organização não governamental referência no país para estudos desse tipo.

Os cálculos de consumo de combustível e emissões foram feitos por voo para cada aeronave, seja ela comercial, de fretamento ou da aviação geral. Para os cálculos, são levadas em consideração todas as fases de voo (táxi da aeronave, decolagem, voo em cruzeiro e pouso). É importante ressaltar que não entram na análise as emissões de poluentes de helicópteros, aeronaves militares e de aeronaves agrícolas movidas a etanol.

Uma importante vantagem do sistema desenvolvido é permitir a agregação dos valores de emissão e consumo por diversos parâmetros, habilitando a construção de séries históricas por aeronave, aeroporto, estado de origem, país ou continente de destino, dentre outros.

O Inventário de Emissão de Gases Atmosféricos contempla a evolução no consumo de combustível para a aviação, dos gases do efeito estufa direto, além das emissões associada a compostos Orgânicos Voláteis (COV), Óxido de Nitrogênio (NOX), Dióxido de Enxofre (SO2) e Material Particulado (MP). No documento, encontram-se ainda disponíveis todas as metodologias utilizadas na confecção do material.